Integrantes de instituições ligadas aos Direitos Humanos, de auxílio a dependentes químicos e da Defensoria Pública reuniram com o Procurador-Geral de Justiça, José Omar de Almeida Júnior, na tarde desta sexta-feira, 01, para solicitar providências quanto à lei 3.528/29, sancionada pelo Governador do Tocantins, no mês de agosto, criando o Cadastro Estadual de Usuário e Dependentes de Drogas no Estado do Tocantins. As instituições relatam que a lei, de iniciativa do poder legislativo, viola princípios éticos, médicos e pedem medidas para suspender os efeitos do dispositivo.

Segundo as instituições, a lei que objetiva propiciar aos órgãos públicos conhecimento dos usuários e dependentes de drogas, não tem fundamentação legal adequada e carece de estudos sociais, pois além de expor os usuários, pode desestimular essas pessoas ao tratamento.

O PGJ disse que levará o caso para os Promotores de Justiça com atuação na área dos Direitos Humanos e da Saúde para que junto com a Defensoria Pública possam estudar os meios legais para tratar o assunto com vistas a subsidiar a atuação da Procuradoria-Geral de Justiça.

No mesmo encontro, requereram providências do MPTO em relação a supostos maus-tratos ocorridos dentro da Casa de Prisão Provisória da Capital. (Denise Soares)

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.