Walter Ohofugi, presidente da OAB-TO e Delegado responsável pelas investigações
Walter Ohofugi, presidente da OAB-TO e Delegado responsável pelas investigações

A OAB-TO (Ordem dos Advogados do Brasil no Tocantins) agradece o empenho da Polícia Civil do Tocantins pelo trabalho que está elucidando o brutal assassinato do advogado Danillo Sandes Pereira, 30 anos, em Araguaína. Nesta terça-feira, 29 de agosto, em entrevista coletiva, a Polícia Civil apresentou Robson Barbosa da Costa, de 32 anos, suspeito preso acusado de ser o mandante do crime. Paralelamente, a Polícia Civil está no trabalho para capturar a pessoa que teria sido contratada para a prática o assassinato.

Conforme as investigações, o crime teve como causa um inventário no qual o advogado estava trabalhando. Segundo a Polícia Civil, Danillo Sandes não aceitou pressões do acusado do homicídio que queria fraudar a distribuição de bens do inventário para ficar com mais dinheiro. Ao todo, a herança em discussão no inventário pode chegar a R$ 7 milhões, conforme informações da Polícia Civil.

Robson tentava ocultar bens do espólio e o Doutor Danillo não aceitou isso, não se curvou a isso. Então dai já surgiu uma animosidade. Passados alguns dias, após algumas situações que ele foi descobrindo que estavam sendo ocultadas dos demais inventariantes, disse o delegado Rerisson Macedo, um dos responsáveis pelo trabalho da Polícia. O delegado Guilherme Torres também atua nas apurações do caso.

Robson Barbosa foi preso em Marabá, mas é natural de Araguaína. A Polícia informou que a família dele e de Danillo Sandes se conheciam. Danillo advogava para outros integrantes da família no processo do inventário.

Agora, a OAB espera a conclusão de todas as investigações para ver se há mais gente envolvida no homicídio. Além disso, o presidente da Ordem, Walter Ohofugi, vai nomear uma comissão para acompanhar formalmente o inquérito policial, a denúncia do MPE (Ministério Público Estadual) e a tramitação da eventual ação penal. Estamos falando de um crime bárbaro e ligado à advocacia. Houve prerrogativa brutalmente violada. Perdemos um colega ético e a advocacia exige que todos os responsáveis sejam presos, frisou Ohofugi.

Nesta terça, 29, o presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, entrou em contato com o presidente da OAB em Araguaína, José Pinto Quezado, para prestar solidariedade e colocar à instituição à disposição para o que for preciso.

Assassinato

O corpo do advogado foi encontrado a 18 quilômetros da cidade, próximo do entroncamento com Babaçulândia no dia 29 de julho. Em estado muito avançado de decomposição, o corpo tinha marcas de lesões de dois tiros na cabeça, sangue e até marcas de queimaduras. Na ocasião, a OAB-TO decretou luto oficial de três dias.

 

Comentários do Facebook