Imagem divulgação

O pastor Antônio Mercury, de 59 anos, criou a “Unção dos Mamilos” na cidade de Aporé, interior de Goiás, com o intuito de abençoar as jovenzinhas que serão futuras mãe. Ele determinava os horários de cada sessão para derramar toda a sua benção nas fiéis.

A notícia rolou pela cidade, cada vez mais inocentes chegavam na sessão em busca de benção familiar. Até que foi parar nos ouvidos da polícia. Sob a acusação de que ele abusava sexualmente das mulheres da cidade utilizando o pretexto de ungir seus seios , para abençoar os futuros filhos que ali seriam amamentados, o pastor foi preso!

“Ele nos convencia de que a benção em nossos mamilos entraria na vida dos nossos filhos assim que eles mamassem, por isso ele fazia sessões de cerca de 1 hora acariciando e apertando nossos seios”, relata a S. T , de 21 anos, que prefere não se identificar.

“Muitas vezes, após os cultos, o Pastor Valdecir nos levava para um terreno nos fundos da igreja e pedia para a gente fazer o Sex0 0ral nele até o espírito santo aparecer por meio da ejaculaçã0”, completa a jovem desolada.

Antônio, que chegou a abusar também de algumas idosas, se defende falando que teve um encontro com Jesus num bordel e que Ele lhe deu a missão de “distribuir o leite sagrado” por todo o estado, começando pelos fiéis da Assembléia de Aporé, do qual é responsável.

“Vocês estão prendendo um servo do Senhor e ainda se arrependerão disso. Espero poder continuar com meu belíssimo trabalho dentro da prisão”, reluta o sacerdote.

Denise Pinheiro, delegada responsável pela região, diz que Antônio foi pego em flagrante enquanto esfregava seu membro em uma comerciante local, observava e apertava seus mamilos, com a promessa de que aumentariam as vendas em seu negócio.

Denise ainda completa: “quando autuamos o senhor Antônio, ele não ofereceu resistência”. Antônio pagou fiança e foi liberado após prestar 3h de depoimento, obviamente. (jornalcidademt)

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.