A Agência de Defesa Agropecuária (Adapec) em parceria com a Secretaria de Saúde do Estado do Tocantins está promovendo palestras sobre a raiva humana e animal, que iniciaram na terça-feira, 26, nos municípios de Araguatins e Augustinópolis e seguem até quinta-feira, 29, nas cidades de Axixá, Sitio Novo e Ananás. O objetivo é capacitar os agentes de saúde comunitários e os técnicos da Agência sobre a doença, visando interligação de dados, e consequentemente orientações aos produtores rurais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No Tocantins, em 2015 foram registrados 48 focos de raiva em herbívoros (bovinos, equídeos, ovinos e caprinos), já em 2016 foram registrados 43 focos. Desde o início deste ano, as instituições se uniram para fortalecer a prevenção e controle da doença. “Essa parceria tem dado resultados excelentes, pois os agentes de saúde colaboram repassando também informações da zoonose na zona rural, com isso, os produtores rurais ficam mais atentos em colaborar com as nossas ações e notificar a Agência sobre suspeita da doença no animal”, disse o presidente da Adapec, Humberto Camelo.

O responsável pelo Programa Estadual de Controle da Raiva dos Herbívoros, José Emerson Cavalcante, explicou que a Agência ao ser notificada sobre suspeita de casos da raiva animal mobiliza equipes de controle da doença para região atingida, além de comunicar a Secretaria de Saúde, responsável pelos casos de notificações em humanos. “Na propriedade rural, analisamos o animal suspeito, procuramos abrigos de morcegos hematófagos, principal transmissor da doença na zona rural, para realização da captura e controle do morcego”, destaca.

De acordo com o inspetor agropecuário da Adapec, José Veloso Júnior, a intenção é que diante das informações adquiridas, tanto os agendes de saúde quanto os técnicos da Agência estarão mais preparados para colaborar com o controle da enfermidade. “Já comprovamos que após a execução de educação sanitária a notificação de novos casos aumenta, comprovando que o conhecimento é um grande aliado no controle da doença”, pontua.

Comentários do Facebook