Em tempos de pandemia como o coronavírus (covid-19) muitas empresas adotaram como medida o trabalho remoto. No entanto, a diferença entre trabalho remoto e Home Office ainda não é clara para todos. Por conta de algumas dúvidas, abordaremos nesse artigo tópicos para esclarecer pontos diferentes em relação aos dois modelos de trabalho.

Tanto a atividade remota, como o trabalho Home Office oferecem liberdade e autonomia para o profissional, pode ser executado de casa e na maioria das vezes não há relações trabalhistas, como contrato CLT, por exemplo.

Embora os dois modelos pertençam à modalidade de trabalho autônoma, qual a diferença entre o trabalho remoto e Home Office?

Trabalho remoto – sem limitação de tempo, espaço e ambiente

O trabalho remoto possibilita que o profissional atue em diferentes ambientes, não especificamente em casa, como no caso do home office. É possível trabalhar durante uma viagem, em coworking, no ambiente doméstico e não há limitação quanto a espaços.

É geralmente um modelo adotado por empresas com parcerias distribuídas por diversos estados e até países, não desejando limitar-se tanto em contratações, como em atendimentos e serviços.

Trabalho remoto não é sinônimo de atividade solitária

Ao falar em trabalho remoto as pessoas logo imaginam atividades solitárias, sem ninguém para trocar opiniões, ideias ou conversar. Geralmente em trabalhos home office o prestador de serviço executa a sua atividade, entrega, e a relação com a contratante é um pouco mais objetiva.

Já no trabalho remoto existe relacionamento com a empresa e a troca contínua de ideias com o time, através das inúmeras ferramentas que existem para reuniões, planejamento de atividades e acompanhamento dos resultados.

A comunicação no trabalho remoto é fundamental, até porque o colaborador é um prestador de serviço da empresa, também acompanha os resultados e participa ativamente com ideias, propostas e criação do planejamento. Seria um ponto de diferença entre o trabalho remoto e o home office

Enquanto o home office essa interação existe, mas pode não ser contínua e finalizar assim que o trabalho solicitado for entregue. Na atividade home office a relação com a empresa é mais pontual, não exigindo essa troca continuamente.

Trabalho remoto pode prejudicar a identidade da empresa?

É muito comum a insegurança de adotar de maneira definitiva o modelo de trabalho remoto, a maior parte das empresas ainda preferem manter o escritório e investir numa estrutura para acolher os colaboradores.

A proximidade gerada por um escritório é muito relativa. Quando falamos de aproximação seja entre pessoas e empresa e pessoas com pessoas, é preciso questionar um fator crucial: o que (fator) gera essa aproximação? Não é preciso ir muito longe para chegarmos a algumas sugestões, como:

Ideias;

Pertencimento;

Acolhimento;

Uma identidade clara;

Identificação.

Trabalho remoto prejudica na identidade da empresa?

O objetivo de uma cultura na organização é aproximar não só o círculo social dos colaboradores, mas criar um elo entre o colaborador e a empresa, propiciando um espaço que gera pertencimento e os fatores mencionados acima.

O que geralmente existe no círculo pessoal da empresa é o que podemos chamar de ‘panelinhas’, pessoas que se unem por afinidades, compreensível e comum, mas já que estamos falando de elo entre empresa e colaborador, assim como identidade organizacional, não é esse o caminho.

O espaço físico só é útil para a cultura de uma empresa e fortalecimento das relações se por trás existir uma estratégia de comunicação, além da seleção do time e disseminação dessas ideias de maneira clara, pontual e assertiva através da liderança.

Estratégias para fortalecer a identidade e cultura, mesmo em trabalhos remotos

Como citado, afetar uma identidade empresarial não se restringe a socialização em espaços físicos. Já vemos isso na organização de grupos fortes através das redes sociais e fortalecimento de ideias entre pessoas que nunca se conheceram pessoalmente.

Empresas que adotam o modelo de trabalho remoto pode disseminar sua cultura através de reuniões, conteúdos, vídeo conferências e inúmeras ferramentas que podemos contar hoje com excelentes resultados em ações colaborativas.

O que gera saúde e bem-estar no ambiente de trabalho, seja no escritório, no espaço doméstico ou em qualquer lugar no mundo, é a maneira pela qual a pessoa é tratada e o significado da empresa para o crescimento enquanto profissional e ser humano.

Poder trabalhar de onde quiser é uma realidade não só diante de pandemias, mas que será crescente no presente e futuro.

As relações e a aproximação entre a empresa e o colaborador não se faz através de um espaço físico, mas da construção de uma atmosfera, de um ideal e propósito compartilhado.

A unidade começa a fazer sentido

A pandemia mundial provocada pelo coronavírus reforça a ideia que compartilhamos muito na Plano Consultoria, a integração do ser humano com a natureza e sua totalidade. Tudo o que está ocorrendo são reflexos de ações e proporção que foge do controle humano.

Uma ideia, um ato, uma ação, um vírus, espalha-se sem que tenhamos o controle. Controlar onde uma pessoa trabalha pode não fazer tanto sentido pelo caminhar da sociedade e das transformações que estão ocorrendo. Todas elas, sem exceção, não há o controle humano, será preciso destacar as ações humanas.

Controlar não é ter dados, mas ‘deter a tempo’. E o ponto crítico é exatamente esse. A única coisa que podemos controlar, são as ações, isso no ambiente empresarial e na amplitude da vida.

Reflita sobre o que faz sentido para sua empresa, mas antes, considere o mundo, impactos, necessidades humanas, pois o sentido deve alcançar antes de tudo, esses pontos.

Comentários do Facebook