Os professores da Unidade Prisional Feminina de Palmas ministraram uma oficina sobre Corpo Encarcerado e mentes livres, para os alunos do curso de Pedagogia, da Universidade Federal do Tocantins (UFT).

Para a professora Wanessa Ribeiro participar da oficina foi muito importante. “Apresentar para o público as experiências realizadas na educação prisional foi uma ótima oportunidade, porque muitas pessoas não dão crédito e tem uma visão distorcida da educação nas prisões”, contou.

Entre os assuntos abordados, Wanessa apresentou os desafios da educação prisional, como a rotatividade de alunos. Ela também falou do referencial curricular da Educação de Jovens e Adultos (EJA) e de como preparar os alunos para as provas externas como o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja).

Na ocasião, a professora Wanessa compartilhou sua participação no programa Missão Pedagógica no Parlamento 2018, ocasião em que representou o Tocantins, durante uma semana de atividades na Câmara dos Deputados, e, para isso, ela desenvolveu com os alunos uma ação sobre democracia na sala de aula.

A professora Leila Machado ressaltou que as reeducandas saem do sistema prisional com a mesma formação escolar oferecida pelas outras unidades de ensino. Já a professora Joelma Cardoso destacou o envolvimento dos acadêmicos em conhecer sobre o funcionamento da educação nas prisões.

“Essa oportunidade nos deixou mais motivadas a estudar, a pesquisar e criar estratégias inovadoras para melhorar o ensino”, frisou a professora Rosângela Luz.

A coordenadora pedagógica, responsável pela Unidade Prisional Feminina, Francisca Pereira de Sousa, avaliou a ação como oportuna para promover e potencializar o trabalho educativo. “O resultado da oficina gerou um projeto de arte visual e produção literária que será realizado com as reeducandas, fruto da parceria da Unidade Prisional Feminina e UFT”, comentou.

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.