Presidente do Sindifato -Pedro Henrique

Depois de muito desgaste e prolongada negociação, que precisou ser mediada pelo Ministério do Trabalho, para garantir a CCT – 2016/2017 (Convenção Coletiva de Trabalho 2016-2017), o Sindifato (Sindicato dos Farmacêuticos do Tocantins) e o Sindessto (Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Tocantins) se reúnem na próxima quarta-feira, 22 de novembro, para debater a CCT 2017-2018. A reunião ocorre na sede do Sindessto, localizada na 401 Sul, Avenida Teotônio Segurado, n.º 550, às 11 horas.

O acordo já deveria ter sido assinado, pois a data-base dos farmacêuticos de hospitais e clínicas particulares entra em vigor no mês de novembro. A questão envolve pelo menos 180 pessoas.

O presidente do Sindifato, Pedro Henrique Goulart Machado Rocha, espera que a negociação seja mais fácil desta vez. “A negociação pesada acabou prejudicando os dois lados. Os colegas farmacêuticos que não tiveram o acréscimo salarial no tempo devido e as próprias empresas, pois eles estão sendo obrigados a pagar mais de R$ 3,2 mil em retroativos quase que de uma só vez”, explicou o líder sindical.

As propostas dos farmacêuticos para o sindicato patronal são as seguintes:

PISO SALARIAL – R$ 3750,00 (três mil setecentos e cinquenta reais) percebendo reajuste salarial de 7,34% (sete virgula trinta e quatro por cento).

ADICIONAL DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA – As empresas pagarão aos seus farmacêuticos, gratificações de no mínimo 15% (quinze por cento) sobre o piso da categoria por Responsabilidade Técnica.

ADICIONAL NOTURNO – Aos empregados que laboram entre as 21 horas e 06 horas horas do dia seguinte será devido o adicional mínimo de 30% (trinta por cento) sobre o valor da hora normal.

ALIMENTAÇÃO – Aos empregados que laboram em jornada especial de 12×36 ou 8 horas diárias, com intervalo de 1 hora para refeição as empresas fornecerão a eles alimentação diária adequada, ficando autorizadas a optar pelo fornecimento de ticket no valor unitário de R$ 20,00 (vinte reais) por refeição.

AUXILIO COMBUSTÍVEL – As empresas fornecerão auxilio combustível no valor de R$ 300,00 (trezentos reais) por mês para seus farmacêuticos.

JORNADA DE TRABALHO – Para jornada de 06×18 fica assegurado realização de no máximo 20 (vinte) plantões por mês; Para jornada de 12×36 fica assegurado realização de no máximo 10 (dez) plantões por mês.

O secretário-geral do Sindifato, Renato Melo, explicou que as propostas do sindicato serão o ponto de partida dos farmacêuticos na negociação. “Claro que não é um pacote fechado. Podemos negociar, mas em alguns pontos nós não vamos abrir mão. Esperamos que o patronal tenha bom senso dessa vez e não arraste a negociação por muito tempo”, ressaltou Melo.

 

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.