A revisão do plano diretor deve ter participação da comunidade
A revisão do plano diretor deve ter participação da comunidade

O Ministério Público Estadual (MPE), por meio da 23ª Promotoria de Justiça da Capital, instaurou, no último dia 28, procedimento preparatório para apurar se o Município de Palmas está cumprindo com a Lei, ao dar início à revisão do Plano Diretor de Palmas.

Apesar de o Estatuto das Cidades (Lei 10.257/2001) e as resoluções do respectivo Conselho determinarem como obrigatória a participação popular no processo de revisão do Plano Diretor, indícios apontam que o município de Palmas deu início aos trabalhos sem providenciar a devida e necessária divulgação dos trabalhos, que se resumiram em apenas duas reuniões restritas, inviabilizando, assim, a efetiva participação da comunidade. Além disso, instituiu um “Grupo de Trabalho Especial”, composto exclusivamente por servidores municipais, o qual apresentou propostas de caráter meramente informativo e declaratório.

Diante dos fatos, entre outras medidas, a Promotora de Justiça Kátia Chaves Gallieta, titular da 23ª Promotoria de Justiça da Capital, requisitou do Secretário de Desenvolvimento Urbano Sustentável cópias do decreto que instituiu o grupo, as atas das reuniões, a Lei que instituiu o Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação de Palmas e sua composição atual, além de outras diligências e documentos.

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.