katiaA filiação da senadora Kátia Abreu no PMDB está com os dias contados. Tão logo seja concluído o processo de impeachment de Dilma, a parlamentar será expulsa do partido. A ideia da cúpula da sigla é convocar reunião da executiva nacional para julgar o processo contra ela em setembro.

A postura da senadora como fiel escudeira de Dilma durante processo de impeachment foi o estopim para o PMDB agilizar essa decisão. Ela elevou o tom das críticas ao PMDB e também a Temer, foi testemunha de defesa de Dilma Rousseff na comissão especial e tratou o processo como uma farsa. A senadora, que é da bancada do PMDB de Tocantins, é amiga pessoal de Dilma e foi ministra da Agricultura da gestão petista.

Quando o PMDB determinou em março passado que todos os integrantes da sigla entregassem os cargos do governo, Kátia se recusou. Foi então que o diretório do partido na Bahia pediu abertura do processo contra ela e Kátia passou a responder à comissão de ética da legenda por desobediência às decisões do diretório e da convenção nacional do partido.

O PMDB também abriu processo contra outros três peemedebistas que na época continuaram ministros. São Mauro Lopes, Celso Pansera e Marcelo Castro. Mas, o caso deles vai ficar na geladeira. Hoje, eles estão alinhados com a gestão Michel Temer. Assessoria informou que Kátia Abreu não vai comentar o assunto. (Roseann Kennedy/CBN)

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.