“Não tem como querer governar o Tocantins sem abrir um diálogo franco com um setor tão importante para o Estado como o setor dos produtores rurais”, afirmou o candidato ao Governo, ex-juiz e criador da Lei da Ficha Limpa, Márlon Reis, durante o 1º Encontro da Cadeia Produtiva realizado pela Associação dos Produtores de Soja do Tocantins (Aprosoja-TO), na noite desta quinta-feira em auditório da Agrotins.

Sobre o modelo de gestão proposto para o Tocantins, Márlon Reis disse que “nos 30 anos, criou-se um Governo dominador em que o Estado mantinha todos sob sua sombra. Minha proposta é estabelecer o Estado cooperativo, facilitador, um Estado maestro. O papel do Governo é apenas servir como agência reguladora, estabelecendo limites previstos pela Constituição Federal, estimulando os setores produtivos e deixando à sociedade cumprir o papel principal do processo de desenvolvimento do Tocantins”.

Márlon Reis lembrou que a crise vivida pelo Estado atualmente foi construída pela forma que os governantes atuaram ao longo da história do Tocantins. “As pessoas eleitas no modo tradicional de fazer política farão o mesmo que têm feito há 30 anos e que levou o Estado para crise em que está. Nós precisamos mudar a maneira de pensar o Governo. Parar de usar o Executivo para atender interesses político-partidários. O Tocantins está atrasado porque está gastando com o que não deve gastar. Está pagando dívida de campanha. Pagando agiotas que financiaram campanhas. Para sair disso, precisamos de uma mudança de mentalidade do nosso povo. Nós podemos fazer isso acontecer. Aproveitar este momento em que a corrupção está em discussão no país e mudar. Não adianta nos revoltarmos com os escândalos de corrupção e continuarmos votando do mesmo jeito”, reforçou.

Márlon Reis também falou da importância do mandato tampão para a retomada do desenvolvimento do Estado. “Esta eleição de 3 de junho é fundamental para o futuro do Tocantins, porque será o Governo que vai elaborar o Orçamento de 2019. O Governo eleito em junho começará um processo de reorganização do Tocantins e terá estabelecer uma nova visão de gestão para o Governo se tiver o compromisso de tirar o Tocantins da crise moral e administrativa que se encontra hoje”, finalizou.

 

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.