Em clima de muita comoção e tristeza foi realizada no meio da manhã desse domingo 13, no cemitério do Bom Jesus, em Imperatriz-MA, o enterro do corpo do policial militar Erasmo Alves Cordeiro. O soldado Erasmo foi morto a tiros dentro de uma viatura da instituição, pelo colega de farda dele, Alexandre Xandu em um suposto surto psicótico.

Depois do velório na casa dos parentes, na rua Bom Futuro, no Centro, foi realizado o enterro com todas as honras militares.

O assassinato do policial Erasmo Alves Cordeiro se deu dentro de uma viatura da PM, por volta de 1h da madrugada de sábado 12, quando quatro policiais seguiam para atender uma ocorrência na área rural de João Lisboa, cidade distante 12 KM de Imperatriz.

Um policial que estava na viatura disse a uma TV local que Alexandre Xandu disparou várias vezes contra o colega e gritou que a viatura estava sendo atacada. Só depois é que os policiais, pelo relato dele, compreenderam o que realmente aconteceu. Antes disso, Xandu, ainda, correu para um bar onde fez vários disparos, onde felizmente ninguém ficou ferido.

O comandante do 14º Batalhão da PM, o tenente-coronel Edeilson Carvalho disse à imprensa que precisou haver uma negociação para a prisão do policial Alexandre Xandu.

O oficial, também, disse que Xandu, que incorporou na instituição no final do ano passado, havia sido submetido a testes psicológicos nunca apresentou, em nenhum momento, um comportamento que pudesse apresentar algum problema de ordem psicológica até o ato trágico de proporções desmedidas.

Transferência

Após prisão, o policial Alexandre Xandu foi transferido para uma das celas do 3º Batalhão da PM, em Imperatriz. Ele permaneceu no local até sábado à tarde, quando foi transferido de helicóptero para o comando da PM, no Calhau, em São Luís, onde vai passar por exames psicológicos.

O resultado dos exames será anexado aos procedimentos investigatórios, um administrativo chamado de Inquérito Policial Militar, o outro um inquérito regular para as ocorrências de homicídios.

Caso seja comprovado que o ataque foi resultado de um surto psicótico, uma das questões a serem esclarecidas é se houve falha nos exames de admissão de Alexandre Xandu na PM.  (João Rodrigues/OEstado)

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.