Luciano Carvalho

A Justiça Federal prorrogou a prisão temporária de Luciano de Carvalho Rocha, primo do ex-governador Marcelo Miranda, por mais três dias. Segundo a decisão, o pedido foi feito pela Polícia Federal após ele ter criado obstáculos à apuração dos fatos investigados na Operação Urutau, deflagrada na última terça-feira, 1º. Nesta investigação são apurados prejuízos de R$ 50 milhões aos cofres públicos.

A operação busca apurar desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro, supostamente ocorridos durante os mandatos de Marcelo Miranda no governo do estado. Os investigados teriam agido como laranjas e testas de ferro do ex-governador para esconder capitais.

Na última segunda-feira, 1°, também foram presos Guilherme Costa de Oliveira, suposto preposto de Marcelo Miranda, e Kamile Oliveira Salles, mulher de Luciano Carvalho. Só que eles contribuíram com as investigações e foram liberados em audiência de custódia.

Conforme o pedido da Polícia Federal, a prisão do primo do governador deve ser mantida enquanto “se conclui a extração dos dados das mídias apreendidas em poder de Luciano e Kamile, e se aprofundam as diligências decorrentes do depoimento de Guilherme Costa de Oliveira, que teria confirmado parte importante das informações que lhe foram apresentadas, salientando que Luciano e Kamile, de fato, controlavam a empresa Construarte, operando para o ex-governador Marcelo Miranda, na prática de atos supostamente delitivos”, diz trecho da decisão.

Luciano de Carvalho chegou a pedir para ser transferido para o quartel da Polícia Militar ou para cela especial, pois estaria sofrendo ameaças por ser parente do ex-governador. O pedido foi parcialmente aceito pelo juiz, que determinou a transferência para uma cela especial se o investigado comprovar ter curso superior.

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.