Mauro Carlesse

O candidato a governador Mauro Carlesse, coligação Governo de Atitude, voltou a citar nesta segunda-feira, 11, que a estabilidade é o caminho para a retomada do crescimento econômico do Tocantins. “Toda ação do Governo depende da estabilidade. O que mais prejudicou o Tocantins nos últimos anos foi a falta de projetos de Estado, de planejamento e as muitas trocas de Governo em pouco tempo. Isso causa insegurança jurídica. O Tocantins não aguenta mais isso”, disse Carlesse.

Mauro Carlesse relembra que essa eleição de 24 de junho é para um mandato de apenas 6 meses e neste momento o Governo precisa atender as demandas mais urgentes, para manter os serviços do Estado funcionando. “Não sou de fazer promessas, sou de trabalhar. E nossas ações visam manter a economia do Estado funcionando, retomando obras, pagando os servidores e os fornecedores em dia. Realizando as cirurgias nas pessoas que estavam esperando há quase quatro anos, renegociando dívidas, resgatando a credibilidade do Estado”, disse.

Nesse sentido, disse o Governador, os projetos de desenvolvimento virão a médio e longo prazos, e serão consequência do trabalho realizado agora. “Com o Estado estabilizado vai ser possível desenvolver projetos para a retomada do crescimento. Mas para isso, temos que equilibrar as contas, reduzir as despesas do Estado, pagar os fornecedores e captar recursos”, explicou Carlesse, acrescentando que o Tocantins precisa de obras estruturantes de ligações com os estados vizinhos – que têm cerca de 20 milhões de habitantes – para o escoamento da produção tocantinense.

“O Tocantins tem aumentado muito sua produção agrícola e pecuária, mas agora precisa industrializar o milho, a soja, a carne, etc. Temos um mercado nos seis estados que fazem divisa com o Tocantins, de cerca dej 20 milhões de pessoas para consumir. Então, precisamos investir na infraestrutura, dar incentivos para os empresários que estão aqui investirem mais e também trazer industrias que vão completar essa cadeia produtiva. E vamos fazer os projetos para ligar o Tocantins com esses estados vizinhos, como a Transbananal (TO-500), melhorar a divisa com a Bahia, com o Pará, com o Maranhão. Precisamos duplicar a Belém-Brasília, asfaltar a BR-010 e fazer a Ferrovia Norte-Sul funcionar. Mas tudo isso só vai acontecer com a estabilidade”, disse Carlesse.

Carlesse relembrou que ao assumir a gestão do Estado no final de abril, encontrou uma dívida de quase R$ 1,4 bi e que determinou a redução de despesas. “Temos enfrentado a ação de nossos adversários que tentam a todo custo engessar o Governo, para vender uma situação de caos que eles mesmos criaram”, disse Carlesse ao destacar que o grupo que hoje apoia Vicentinho tenta retornar ao Governo, pois é o mesmo que foi retirado do Palácio Araguaia com a segunda cassação de Marcelo Miranda pelo Tribunal Superior Eleitoral.

“Quem está preocupado com o Estado está nos ajudando. O Tocantins precisa superar esse momento difícil. Agora é uma gestão de transição. E a população está entendendo isso, pois estamos atacando os problemas do Estado, enquanto os adversários insistem em nos atacar. Mas os tocantinenses já compreenderam isso e a resposta a gente vê nas ruas com o apoio do povo ao projeto de estabilidade”, disse Carlesse.

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.