Nilton afirma que nunca teve cabo eleitoral no governo de Miranda

Os debates da sessão matutina desta quarta-feira, 25, giraram em torno das exonerações dos funcionários públicos do Estado. A discussão começou calma, até o deputado Nilton Franco (MDB) falar das três mil demissões que aconteceu no diário oficial da noite desta terça-feira, 24.

Segundo Nilton, que entrou na defesa do ex-governador Marcelo Miranda (MDB), o intitulando de ‘governador humano’, afirmou que nunca teve cabo eleitoral no governo de Miranda e disse ainda que o governador interino, Mauro Carlesse (PHS) não está bem intencionado. “O governo não está bem-intencionado, só o que se fala é em demissão, três dias, 3 mil demissões”, disse.

Segundo Wanderlei, a preocupação do governador Mauro Carlesse no momento é colocar o Estado para funcionar, diminuindo as filas dos hospitais, recuperando rodovias, pagando os funcionários públicos em dia, melhorando a segurança pública, educação, infraestrutura e diversas outras áreas que estão sendo prejudicadas, e para isso é necessário adequar o Estado a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF),  que vem sendo descumprida ao longos desses anos.

Junior Evangelista (PSC)  acompanhou o pronunciamento de Wanderlei e entrou na defesa de Carlesse, desejando um governo justo e atuante como vem fazendo nesses poucos dias que assumiu o governo.

O deputado José Bonifácio (PR)  disse que as demissões são impessoais , que cabe indicar as pessoas que estão realmente trabalhando. O parlamentar, que é a favor das demissões, disse em  tom alto,  que o governo atual tem mesmo que retirar  do serviço público aqueles que só servem para cabos eleitorais, citando o município de Palmeiras, e disse ainda que Carlesse tem pressa, que não joguem pedra.

Já o deputado Amélio Cayres (SD) afirmou não tem nenhum cabo eleitoral no Estado e que o Estado vive momento de inconstância jurídica. E fez um desafio, “não tenho uma indicação que não trabalhe, todos trabalham. ”

O Deputado Toinho Andrade (PHS) também entrou na discussão, dizendo que Carlesse quer fazer justiça e entrou na defesa do governador interino. “Carlesse vai mudar o Tocantins e trazer o pagamento dos servidores em dia equilibrando as contas públicas.”

Já o deputado Elenil da Penha, em tom crítico disse que a medida é um ato de “covardia” do governador interino. O parlamentar chamou atenção da Justiça Eleitoral e também fez o desafio para quem souber que mostre cargos indicados por ele por aí sem trabalhar.

 

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.