Fórum de Araguaína

O Ministério Público do Tocantins (MPTO) obteve na Justiça a condenação de uma mulher a 15 anos, 6 meses e 16 dias de prisão por homicídio qualificado (motivo torpe) e por integrar organização criminosa.

A sessão do Tribunal do Júri, realizada nesta quinta-feira, 18, julgou o caso de homicídio ocorrido em 28 de novembro de 2019 no Parque Cimba, em Araguaína.

Segundo a denúncia do Ministério Público, Kelly Jordania Carvalho da Silva articulou a morte de Leonardo Gomes de Sousa “no âmbito de disputa de organizações criminosas”. O assassinato, cometido com uso de arma de fogo, foi praticado por dois homens, que foram denunciados em outros autos.

Conforme as investigações, ficou comprovado que a motivação do crime foi disputa entre facções. “A vítima integrava a facção Comando Vermelho, ao passo que Kelly Jordania e os executores do homicídio pertenciam ao PCC”, diz a denúncia do MPTO.

As investigações apontaram ainda que Kelly fazia parte de um grupo de WhatsApp formado por integrantes do PCC, “onde se discutia a venda de drogas, armas e o planejamento de homicídios”.

No dia do crime, ficou comprovado, pela análise das conversas, que o homicídio foi planejado após mensagens enviadas pela acusada. Uma testemunha relatou que Kelly foi a responsável por indicar a localização da vítima. Ela também pediu que alguém fosse buscar a arma usada para matar Leonardo.

A sustentação na sessão do Tribunal do Júri ficou a cargo do promotor de Justiça Guilherme Cintra Deleuse.

Comentários do Facebook