cápsula - foto: Bruno Kelly

O estado do Mato Grosso acaba de ser incluído na lista daqueles que estão utilizando a cápsula Vanessa no combate à Covid-19. Esta semana, o presidente do Grupo Samel, Luis Alberto Nicolau, junto com a equipe técnica responsável pelo desenvolvimento do equipamento, esteve na cidade de Cáceres para oficializar a entrega das unidades.

Dez unidades da cápsula foram entregues ao Hospital Regional de Cáceres e o presidente da Federação da Indústrias do Mato Grosso (Fiemt), Gustavo de Oliveira, afirmou que os equipamentos serão produzidos em larga escala pelas unidades do Senai no estado. No início do mês, 150 unidades já haviam sido doadas e, de acordo com a Fiemt, outras 400 já estão encaminhadas.

Além dos equipamentos, o Grupo Samel forneceu também treinamento técnico para a utilização da cápsula Vanessa. A capacitação foi realizada pelo fisioterapeuta Manoel Amorim, um dos criadores da cápsula, que demonstrou com utilizá-la corretamente.

De acordo com o chefe de gabinete do Governo de Mato Grosso, Alberto Machado, o uso da cápsula Vanessa representa uma nova alternativa para o tratamento dos pacientes com coronavírus. “Esperamos que a cápsula tenha uma participação importante no tratamento destes pacientes”, afirma.

O presidente do Grupo Samel, Luis Alberto Nicolau, lembrou que o treinamento teórico e prático incluiu turmas de médicos nas cidades de Cuiabá e Sorriso. “Nosso objetivo é debelar a pandemia, como conseguimos fazer em Manaus, onde for necessário. Estamos à disposição de hospitais, órgãos de saúde, estados e municípios para fornecer o projeto e orientações de forma gratuita”, afirma.

A cápsula Vanessa

A cápsula Vanessa, criada pelo time de fisioterapeutas do Grupo Samel, recebeu este nome em homenagem à primeira paciente que precisou ser intubada e se recuperou do coronavírus. Sensibilizada por ver uma paciente tão jovem passar por um tratamento tão agressivo, a equipe de fisioterapeutas do Grupo Samel decidiu desenvolver a cápsula. Como suas especificações são abertas para quem quiser construi-la, o custo de produção é de R﹩ 450 por unidade (cerca de US﹩ 86) e os profissionais da Samel estão disponíveis para compartilhar informações com quem tiver interesse em produzi-la.

Trata-se de uma caixa construída com peças de PVC e coberta com plástico transparente. Colocada sobre o corpo dos pacientes, a cápsula cumpre duas funções importantes: servir como barreira de proteção aos profissionais de saúde e permitir a realização de ventilação não-invasiva (VNI), já que impede a dispersão de partículas/gotículas no ambiente. Segundo especialistas, muitas vezes o uso de VNI substitui a intubação orotraqueal precoce, reduzindo o uso de respiradores, a recuperação de pacientes e a possibilidade de infecções.

Desenvolvida em uma parceria com o Instituto Transire, a cápsula vem sendo utilizada desde março nos hospitais do Grupo Samel e foi fundamental no Hospital de Campanha da Prefeitura de Manaus, gerenciado pelo grupo, e no Hospital de Campanha de Roraima. Por conta de deficiências em seu protocolo, somente em maio a Organização Mundial de Saúde (OMS) reconheceu a VNI como uma opção efetiva para o tratamento de Covid-19. “Nós fomos os pioneiros porque entendemos que a intubação tradicional era desnecessária em muitos casos”, afirma Nicolau.

“Nós começamos a utiliza-la no momento em que o paciente chega ao hospital e os resultados foram muito bons, com uma redução significativa do tempo de hospitalização, de 15 para 7 dias, e uma taxa de intubação de menos de 5%”, explica, lembrando que seu uso não elimina, no entanto, o uso de equipamentos de proteção individual (EPIs), por parte dos profissionais de saúde. Essa redução foi a chave para manter a disponibilidade de leitos hospitalares e, com isso, evitar o colapso do sistema de saúde.

Por conta da efetividade de seus resultados, a cápsula Vanessa vem sendo utilizada em cerca de 40 cidades no estado do Amazonas; em outros estados, como Pará, Acre, Roraima e Mato Grosso; e também na Bolívia. Até aqui, foram produzidas cerca de 2,2 mil unidades, a maioria delas doadas para uso público. “Iniciativas como essa nos ajudaram a dar alta a mais de 1,4 mil pacientes, 600 deles somente no Hospital de Campanha da prefeitura”, afirma Nicolau

Sobre a Samel Planos de Saúde

Com quase 40 anos de atuação em Manaus oferecendo planos de saúde empresariais e assistência médico-hospitalar e odontológica em cinco unidades próprias – Hospital Samel; Hospital Oscar Nicolau; Centro Médico Getúlio Vargas; Centro Médico São José e Centro Médico Via Norte – localizadas em diversas zonas da cidade, e uma sexta unidade hospitalar que está em construção no bairro Aleixo, com previsão de inauguração em novembro de 2020, a Samel é um grupo genuinamente amazonense que contribui para o desenvolvimento da região e está engajada em diversos projetos que beneficiam a sociedade amazonense. Com equipe multiprofissional altamente especializada que oferece assistência médica 24 horas aos seus mais de 90 mil cientes, a Samel possui certificações que atestam a eficiência dos seus processos demonstrando padrões de excelência e segurança para seus clientes e profissionais a nível nacional e internacional.

Comentários do Facebook