Para Janad, a vivência e proximidade com os palmenses lhe garantem visão ampla dos problemas enfrentados pela população / Ascom

“Eu sou a única pré-candidata que vem brigando com os problemas de Palmas. Eu conheço a dor das pessoas. Já morei em casa popular, já andei de coletivo, já precisei do remédio do postinho e também da merenda escolar, coisa que outros candidatos nunca precisaram”, destaca Janad ao pautar deficiências na gestão da saúde pública, no transporte coletivo e na infraestrutura de ruas e bairros.

De acordo com ela, a vivência e proximidade com os palmenses lhe garantem visão ampla dos problemas enfrentados pela população. Ela afirma que, ao contrário de seus adversários, não hesita em apontar as falhas da gestão municipal e apresentar propostas para resolvê-las.  “Eu vivo nessa cidade e sei o que ela precisa. Vou continuar mostrando os problemas e também as soluções, porque a mudança é para já”, defende a pré-candidata.

“O que eu não quero para mim eu também não quero para as pessoas. Eu não tive pai. Ninguém veio fazer a Janad. Ninguém veio construir para mim. Eu construí a minha vida”, reforça ao lembrar que os outros pré-candidatos à prefeitura de Palmas sempre usufruíram de privilégios. “Um chegou na nossa cidade já empresário, já com a vida estabilizada, tranquila. Já o  outro é um político feito pelo pai, e também tudo o que conquistou foi através do pai”, justifica.

“Sou pré-candidata a prefeita, o meu nome é Janad, e estou pronta para o trabalho”, disse. A pré-candidatura de Janad é destaque no cenário político e vem ganhando a aprovação do eleitorado palmense. Na última pesquisa divulgada pelo IPEX, em 1º de maio, ela desponta com 36% das intenções de voto – pesquisa estimulada – com o dobro das intenções do segundo colocado, Eduardo Siqueira Campos (Podemos), que aparece com 18%. Em seguida, figura Carlos Amastha (PSB) com 16,5%.

Comentários do Facebook
Artigo anteriorUlbra Palmas na Agrotins 2024
Próximo artigoPresidente da ATM, Diogo Borges, discursa no plenário do Senado Federal e defende manutenção da desoneração do INSS sobre a folha