Dupla é presa no sul do Tocantins com vários produtos ilícitos e grande quantidade de cabos de cobre de alto valor

Policiais Civis da 3ª Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (3ª DHPP) de Gurupi, comandados pelo delegado Hélio Domingos de Assis Alves, efetuaram nesta quinta-feira, 26, a apreensão de uma grande quantidade de produtos de origem ilícita, bem como quase 100 metros de cabos de cobre de alto valor comercial, durante ação realizada em uma residência no setor Madrid, naquele município. Na ocasião, dois homens, de 28 e 72 anos de idade também foram presos pela prática, em tese, dos crimes de furto e receptação, respectivamente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com a autoridade policial, os investigadores da Unidade Especializada estavam realizando diligências na tentativa de desvendar alguns crimes de homicídio que ocorreram em Gurupi, nos últimos meses quando obtiveram informações de que uma residência, localizada no setor Madrid estaria sendo utilizada como esconderijo para integrantes de uma organização criminosa.

De posse das informações, os policiais civis foram até o local. Ao chegarem, um homem percebeu a aproximação dos agentes e tentou empreender fuga, sendo capturado ainda dentro do imóvel. Após buscas realizadas foi encontrada grande quantidade de cabos elétricos de alta tensão, supostamente furtados de uma fazenda nesta madrugada, além de máquinas de solda, e outras máquinas portáteis furtadas em um galpão da BR-153 em Gurupi no último domingo, 22.

Desse modo, os dois homens foram conduzidos até a Central de Atendimento da Polícia Civil, em Gurupi, onde o homem de 28 anos foi autuado em flagrante por furto e o idoso de 72 anos foi autuado em flagrante por receptação. Por meio de buscas nos sistemas de dados da Polícia Civil, os agentes localizaram um mandado de prisão por regressão de regime, em aberto em desfavor do indivíduo de 28 anos. Dessa maneira, a ordem judicial foi cumprida e o indivíduo recolhido a Casa de Prisão Provisória de Gurupi, onde permanecerá à disposição do Poder Judiciário.

Comentários do Facebook