O ex-marido é o principal suspeito da morte de Jarenes Ribeiro da Cruz

Na manhã desta segunda-feira (21), parentes e amigos fizeram homenagens e se despediram de Jarenes Ribeiro da Cruz, de 38 anos, assassinada em Formoso do Araguaia, sul do estado. O sepultamento foi realizado no cemitério da cidade. O principal suspeito do crime é o ex-marido da vítima, preso no último sábado (18). A Polícia Civil disse que ele confessou o crime.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Jarenes e o suspeito eram casados há 18 anos e estavam separados há cerca de um mês, segundo amigos. Eles têm duas filhas, de 10 e 16 anos.

Em depoimento à polícia, o ex-marido disse que matou a mulher por estrangulamento, pois teria descoberto que ela tinha recentemente iniciado um novo relacionamento, segundo apontam as investigações.

Após estrangular a vítima, o homem teria enterrado o corpo no Projeto de Assentamento Caracol 2. Foi o próprio suspeito quem indiciou a localização. Após ser encontrado, o cadáver foi encaminhado para o Instituto Médico Legal de Palmas, onde foram feitos exames.

Jarenes estava desaparecida desde o dia 10 deste mês. Apesar de o suspeito ter participado das buscas pelo paradeiro dela, os investigadores encontraram inconsistências nos relatos e nas versões dele.

Buscas foram feitas perto da casa dela e por todo município. Nesse período, o ex-marido esteve na região e negou os fatos. Mas, de acordo com a polícia, ele entrou em contato com outras pessoas repassando informações falsas para desviar o foco das investigações.

Com ajuda da Divisão Especializada de Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC), a polícia conseguiu cruzar informações do aparelho celular da mulher que estava desaparecida com os acessos do suspeito.

Com essas informações, juntamente com os relatos de testemunhas sobre ameaças e violência doméstica que a mulher sofria, a polícia confrontou o suspeito e ele confessou o feminicídio, de acordo com a polícia.

Ele foi autuado em flagrante pelo crime de ocultação de cadáver e também terá a prisão representada por feminicídio. Ele ficará preso na Casa de Prisão Provisória em Gurupi por 14 dias, cumprindo o período de quarentena, após isso será transferido para a Cadeia Pública de Formoso do Araguaia, onde ficará à disposição da Justiça.(G1)

Comentários do Facebook