O Ministério Público do Tocantins (MPTO), a Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil do Tocantins e diversos outros órgãos e instituições que compõem o Comitê do Fogo no Tocantins participaram de uma ação integrada neste final de semana, 20 e 21, com o intuito de inibir a ocorrência de incêndios florestais criminosos em Palmas e região. A Defesa Civil do Tocantins ressaltou que historicamente existe uma intensificação das queimadas ilegais no mês de setembro que surgem, principalmente, aos finais de semana.

O procurador de Justiça José Maria da Silva Júnior, coordenador do Centro de Apoio Operacional de Urbanismo, Habitação e Meio Ambiente (Caoma), participou da reunião estratégica que antecedeu a divisão das equipes e definição das rotas de fiscalização. Os dados ainda não foram consolidados, mas um balanço prévio indica redução do número de focos de queimadas neste último final de semana.

Os mapas das rotas de fiscalização foram produzidos pela Defesa Civil, a partir do mapeamento das cicatrizes do fogo obtidas em imagens de satélites pelo Laboratório de Geotecnologias do Ministério Público (LabGeo/Caoma), que promove o cruzamento de informações com outras bases de dados e identifica os imóveis rurais onde ocorreram e seus respectivos proprietários.

Nos finais de semana anteriores a esse último, o acionamento da fiscalização e de brigadistas que atuam no combate de incêndios florestais resultou no deslocamento de três equipes, que trabalharam ininterruptamente para enfrentar os diversos focos de queimadas na Serra do Carmo, em Palmas e região. Já neste final de semana, em que houve a ronda prévia das equipes, não foi registrada nenhuma chamada ou acionamento para combate do fogo.

Em outra frente do Comitê do Fogo, equipes de combate direto aos focos de incêndio atuam em todo o Estado, integradas por servidores do Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), Corpo de Bombeiros e Brigadas Municipais treinadas pela Defesa Civil. Todo o trabalho é realizado com o apoio efetivo do Exército Brasileiro, por meio do seu 22° Batalhão de Infantaria, com 300 homens treinados no combate aos focos de incêndios no Tocantins.

Para o procurador de Justiça José Maria da Silva Júnior, a integração das instituições é fundamental para a redução das graves consequências das queimadas para o meio ambiente e para a saúde, principalmente nesta época em que a estiagem acontece simultaneamente com a pandemia. “Já temos notícias de que a ação das equipes de fiscalização e dos brigadistas está obtendo resultados importantes no enfrentamento dos incêndios florestais em regiões como o Cantão, por exemplo”, destacou.

O superintendente da Coordenadoria de Proteção e Defesa Civil do Tocantins, tenente coronel Erisvaldo de Oliveira Alves, reforçou que as equipes dos órgãos e instituições do Comitê do Fogo continuarão operando todos os dias durante a semana, segundo seus cronogramas de fiscalização e combate de incêndios florestais. Os atendimentos às ocorrências são realizados por meio dos canais de denúncias do Naturatins, Polícia Militar do Tocantins, Guarda Ambiental de Palmas e Corpo de Bombeiros Militar do Tocantins.

Comentários do Facebook