Abílio da Silva

A Polícia Civil do Tocantins com apoio da Polícia do Estado do Pará efetuaram, na manhã desta segunda-feira, 3, no município paraense de Xinguara, a prisão de um indivíduo de 22 anos de idade.

Ele é suspeito de, juntamente com outros indivíduos todos já identificados e presos pela Polícia Civil do Tocantins, de cometer um crime de latrocínio, no ano de 2019 em Araguaína, o qual vitimou um idoso de 69 anos de idade e foi capturado, mediante cumprimento a mandado de prisão preventiva.

De acordo com o delegado Breno Eduardo, o crime ocorreu em junho de 2019 e desde a época dos fatos, a Polícia Civil não mediu esforços para identificar os autores do latrocínio que chocou a população da cidade de Araguaína devido à crueldade com que foi executado, além do fato de a vítima ser pessoa muito conhecida e querida pela comunidade local.

Após intenso trabalho investigativo realizado pelas equipes da DRR, com o intuito de desvendar o crime, há alguns dias, os policiais civis da unidade especializada descobriram o paradeiro do quinto e último envolvido no latrocínio, o qual estava escondido no Estado do Pará. Desse modo, a autoridade policial representou, junto ao Poder Judiciário pela prisão do indivíduo a qual foi deferida e cumprida na manhã de hoje com auxílio da Polícia Civil da cidade de Xinguara.

O crime

Conforme o delegado Breno Eduardo, o idoso Abílio da Silva, de 69 anos de idade foi encontrado amarrado nu e morto dentro de sua própria casa em junho de 2019 no dia da famosa cavalgada de Araguaína. Desde então, tendo em vista o crime de latrocínio, a Delegacia Especializada de Repressão a Roubos (DRR) ficou responsável pela investigação.

Os fatos e a motivação  

Segundo apontaram as investigações da Polícia Civil, dias antes do latrocínio, os suspeitos entraram na casa da vítima para roubar quantias em dinheiro que o idoso costumava emprestar para moradores do bairro, (pequenos empréstimos para conhecidos). Durante a execução deste crime, no entanto, eles foram afugentados por vizinhos e na fuga, deixaram a arma de fogo que usavam cair.

Semanas depois voltaram à casa da vítima para recuperar a arma, porém o idoso não havia acionado a polícia e entregue o armamento, virando, pela segunda vez, vítima dos autores. Todavia, desta vez, ele foi amarrado e asfixiado com um saco plástico, vindo a óbito, bem como teve seu patrimônio subtraído mais uma vez.

No decorrer dos trabalhos investigados, a Polícia Civil identificou o idealizador do plano criminoso. Trata-se de um indivíduo de 22 anos, o qual foi preso e encontra-se na Casa de Prisão Provisória de Araguaína. Ele, inclusive, já responde a processo por outro crime de Roubo.

Com o aprofundamento das investigações, as equipes da DRR identificaram o homem preso pela Polícia Civil no Estado do Pará nesta manhã, como sendo o responsável por recrutar mais indivíduos para a execução do crime. Este homem se associou a outros quatro para cometer os crimes, com idades entre 19 e 22 anos. Um deles foi vítima de assassinato meses depois do cometimento deste crime.

O delegado Breno ressalta ainda que todos os indivíduos envolvidos no crime de latrocínio já respondem por crimes de roubos cometidos em Araguaína e são ligados a uma facção criminosa que atua em vários estados do Brasil, inclusive no Tocantins.

“Trata-se de indivíduos perigosos que estão envolvidos em diversos crimes, por isso a prisão deles é, com toda certeza, uma garantia de mais paz e tranqüilidade para a sociedade de Araguaína”, frisou o delegado Breno. O homem preso hoje foi recolhido a Cadeia Pública de Xinguara, onde permanecerá à disposição do Poder Judiciário do Tocantins.

Por meio do trabalho realizado pela DRR, os cinco autores foram devidamente identificados, sendo que quatro deles estão presos e seguem à disposição do Poder Judiciário.

Comentários do Facebook