Foto: Divulgação

Entre os presentes estão a imunologista Nise Yamagushi e a anestesista Luciana Cruz (São Paulo); o médico intensivista Cássio Prado, prefeito de Porto Feliz-SP, primeiro gestor municipal a adotar o protocolo do Ministério da Saúde; o médico bombeiro Pedromar Valadares Melo (Macapá-AP), responsável pela Defesa Civil e pelo Comitê anti-Covid do estado do Amapá e a infectologista Valéria Brilhante (Belém-PA), diretora da Unimed Belém.

A Unimed de Belém virou referência nacional depois que a Dra. Vânia Brilhante divulgou os gráficos do início de maio, quando a operadora de saúde saiu do colapso (com UTIs, enfermarias e corredores lotados nas unidades de atendimento) e conseguiu zerar o número de internações uma semana após iniciar a distribuição de hidroxicloroquina, azitromicina e zinco para todos os pacientes que procuravam médico com sintomas leves de gripe.

Do Paraná estão presentes os médicos Dorival Ricci Jr. (Paraíso do Norte), Laércio Ceconello (Londrina), George Muniz e Maurício Buschle (Curitiba).

Os médicos entregaram ao presidente uma carta aberta com o pedido para disponibilização dos remédios nas farmácias populares por volta das 11 horas da manhã. Esta tarde pretendem ir ao Congresso Nacional e ao Supremo Tribunal Federal (STF) para entregar um documento também aos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia; do Senado, Davi Alcolumbre e do STF, Dias Toffolli.

Além disso prepararam uma versão em vídeo agradecendo ao presidente pelo apoio ao tratamento precoce e orientando os brasileiros a buscar ajuda médica já nos primeiros sintomas.

 

 

Comentários do Facebook