Ilustrativa/ Foto: PMTO

O policial penal Dorvilê Sobrinho Costa foi condenado a pena de 18 anos e nove meses de reclusão, em sessão do Tribunal do Júri realizada na quinta-feira, 27, por matar seu vizinho, Gustavo Pereira Batista, a golpes de facão. O crime aconteceu em setembro de 2022, na Quadra 603 Norte, em Palmas.

Os jurados acolheram as teses sustentadas pelo Ministério Público do Tocantins (MPTO), referentes à prática de homicídio qualificado por motivo fútil e uso de recurso que dificultou a defesa da vítima.

A acusação foi sustentada pelo promotor de Justiça Argemiro Ferreira dos Santos Neto, em uma sessão do júri que demorou mais de 18 horas, sendo ouvidas 10 testemunhas e o acusado.

Na sessão, a acusação do MPTO lembrou que o réu e a vítima moravam em um mesmo lote, sendo que Dorvilê residia em uma casa e Gustavo em uma kitnet alugada, de propriedade do policial penal.

A princípio, eles mantinham relação de amizade. Porém, Dorvilê teria passado a ter ciúmes de Gustavo, suspeitando que ele tinha algum interesse em sua esposa. Esse motivo teria levado o acusado a atacar a vítima na noite de 23 de setembro de 2022, de surpresa, com uma sequência de golpes de facão. Gustavo Pereira foi a óbito no próprio local.

Comentários do Facebook
Artigo anteriorEm Paraíso do Tocantins, homem condenado por roubo e falsa identidade é preso pela Polícia Civil
Próximo artigoNo Bico, governador em exercício Amélio Cayres assina ordem de serviço para Câmpus da Unitins e Pacto de Intenções para Centro de Necrópsia do município