O vice-governador Wanderlei Barbosa assinou, nessa quarta-feira, 11, a iniciativa Campeões da Floresta, durante a programação do evento Brasil Moderno, Produtivo e Verde promovido pelo Earth Innovation Institute (EII), presidido pelo doutor em Ecologia Florestal, Daniel Nepstad, referência mundial nos estudos sobre mudanças climáticas. No Brasil, somente os estados do Mato Grosso e o Acre já assinaram a iniciativa.

Campeões da Floresta é uma iniciativa que possui um conjunto de ferramentas para promover parcerias, acesso ao mercado e investimentos que os estados campeões e regiões precisam para ter sucesso. Essas ferramentas estão ancoradas nos princípios e nas definições da Força-Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas (GCF) para pedir por colaboração e a necessidade urgente de reconhecer, divulgar e apoiar as muitas ações positivas em andamento nas jurisdições subnacionais – ações lideradas por governos, povos indígenas e outras comunidades locais, organizações rurais e empresas.

Ser membro fundador da iniciativa é o compromisso que o estado assumiu para construção de economias sustentáveis, criando novas oportunidades de desenvolvimento, preservando as florestas, melhorando a qualidade de vida de comunidades vulneráveis e reduzindo as emissões de gases de efeito estufa.

O vice-governador Wanderlei Barbosa destaca que este sempre foi um compromisso do Tocantins, melhorar o setor produtivo do Estado, sem degradar o meio ambiente, e que a assinatura da iniciativa é atestar perante a comunidade internacional o nosso compromisso com a redução de emissões dos gases de efeito estufa. “A vocação do nosso Estado sempre foi o setor produtivo, porém sempre tudo dentro da legislação ambiental, assinar este documento reafirma o nosso compromisso com o desenvolvimento sustentável do Tocantins diante da comunidade internacional”.

Com a assinatura da iniciativa, o Tocantins tem uma espécie de Selo Verde, que dá uma maior credibilidade para buscar parcerias com investidores e outros atores para a construção de uma nova economia.

Comentários do Facebook