PC esclarece como agem os suspeitos de praticar arrombamentos a veículos em Palmas utilizando o ‘Chapolim’

Com o objetivo de alertar a toda a população da Capital acerca dos casos de arrombamentos de veículos que vem ocorrendo nos últimos meses, esclarecer como funciona a estratégia dos criminosos, e também fornecer dicas de segurança a população, a Polícia Civil do Tocantins, por intermédio da 1ª Delegacia de Palmas, juntamente com peritos da Polícia Científica divulgaram mais detalhes da prática criminosa que consiste na utilização de um aparelho eletrônico apelidado no meio criminal de “Chapolim”. O dispositivo estava sendo utilizado por um homem preso pela Polícia, no dia 27 de outubro de 2020 e que é responsável de praticar mais de 30 arrombamentos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nesta semana, uma vítima compareceu até a sede da 1ª DPC com o objetivo de recuperar seus pertences, que tinham sido subtraídos do interior do seu automóvel no dia 23 de outubro de 2020, enquanto o mesmo estava estacionado em frente a um bar na quadra 210 sul. Desse modo, com o auxílio da vítima, o delegado-chefe da 1ª DP, Túlio Pereira Mota, juntamente com o perito Jonas de Macedo Sousa Júnior fizeram a demonstração do truque que impede que as portas do veículo sejam devidamente travadas, o que facilita a ação dos criminosos.

Modus Operandi

“Ao perceber a aproximação de um veículo, os criminosos ficam atentos e logo após o motorista estacionar o carro e acionar o alarme, os criminosos, com a utilização desse dispositivo eletrônico chamado comumente de “Chapolim”, bloqueiam a ação do condutor fazendo com que o travamento do veículo não seja efetivado, porque a onda emitida pelo aparelho do criminoso geralmente é mais forte que o controle de fechamento do carro, fazendo com que o mesmo fique aberto e totalmente vulnerável a ação dos suspeitos”, disse o Delegado.

Durante o procedimento, ficou evidenciado que de fato, o dispositivo eletrônico utilizado para praticar os crimes possui eficácia e, realmente, impede que o dono ou condutor do carro possa trancá-lo. De acordo com a vítima que compareceu a sede da 1ª DP foi exatamente o que ocorreu com ela, logo após estacionar seu carro na Quadra 210 sul. “É possível perceber que também nesse caso, os criminosos se utilizam da estratégia do Chapolim e conseguiram ter acesso ao interior do carro de onde subtraíram um relógio, grande números de ferramentas utilizadas para instalação de ar condicionado, um aparelho de som, bem como certa quantia em dinheiro”, frisou o delegado Túlio.

Na ocasião, a vítima agradeceu imensamente a Polícia Civil do Tocantins, pela elucidação do crime e pela recuperação de seus pertences. “Eu já considerava minhas coisas perdidas, passei alguns dias sem trabalhar, mas graças ao excelente trabalho investigativo realizado pela Polícia Civil, vou recuperar minhas coisas e retornar as minhas atividades laborais cotidianas”, disse. O homem também se disse agradecido e aproveitou a oportunidade para alertar a todos os residentes de palmas para que, ao estacionar o veículo, observem se, de fato, ele travou, conferindo a maçaneta das portas, pois assim podem evitar prejuízos e contratempos.

“A Polícia Civil está de parabéns por mais está ação de combate ao crime, uma vez que se tivesse que comprar outras ferramentas, seria um gasto grande para o qual eu não estava preparado. Dessa forma, graça a ação rápida da Polícia Civil, consegui recuperar minhas coisas, e posso voltar a trabalhar normalmente”, ressaltou.

Interferência

O perito Jonatas Sousa explicou como golpe é aplicado e como as pessoas podem se precaver para não serem afetados. “O golpe consiste basicamente em uma interferência no sinal do da chave do carro, causada pelos criminosos, pois ela emite uma frequência que trava o carro. Dessa forma, o criminoso se utiliza do dispositivo chapolim e ativa o sinal assim que o carro para e o seu proprietário não consegue travar o mesmo”, disse.

Jonatas também alertou para que o cidadão tenha atenção ao estacionar seu veículo. “Ao sair do carro verifique se o mesmo está de fato trancado, e nunca ative sua trava de longe, ou mesmo falando ao celular, porque é muito fácil achar que o veículo foi travado e se a pessoa não prestou atenção à ação, o carro pode ter ficado aberto e, portanto, pode ser invadido por criminosos”, disse. O perito também afirmou que os testes preliminares atestam que de fato, o dispositivo chapolim tem uma alta incidência e pode facilmente anular o travamento de carros.

Conforme o delegado Túlio Mota, a vítima que compareceu nesta tarde na sede da 1ª DP não havia registrado Boletim de Ocorrência, mas procurou a unidade da Polícia Civil após ver as postagens feitas pela autoridade policial em grupos de aplicativos. “Importante ressaltar que as investigações que resultaram na prisão desse indivíduo na semana passada, já duravam alguns meses, sendo que temos quase certeza que trata da mesma pessoa que subtraiu os pertences da vítima que nos procurou nesta tarde”, frisou o delegado.

A autoridade policial destaca também que o homem preso agia principalmente em estacionamentos de hospitais, lojas de departamentos, supermercados, na Praça dos Girassóis e Praia da Graciosa, sendo que o mesmo já tem várias passagens pela polícia, e pode estar envolvidos em muitos outros crimes com o uso do chapolim, uma vez que os itens apreendidos com pessoas próximas a ele na semana passada superam os R$ 8 mil reais em produtos de todos os tipos.

O delegado Túlio ressalta que as investigações para coibir furtos no interior de veículos já vinham sendo realizada pela Polícia Civil há pelo menos seis meses até que ocorreu a prisão do indivíduo pelas forças de segurança. Ressalta ainda que com a prisão do homem suspeito de praticar esses crimes, a Polícia Civil acabou localizando vários objetos por eles furtados os quais estão sendo devolvidos aos seus verdadeiros donos. No entanto, ele afirma que o número de vítimas pode ser bem maior uma vez que muitos casos não foram registrados.

O Delegado ressalta ainda que o cidadão deve ser parceiro da Polícia e, além de registrar as ocorrências, deve tentar dificultar ao máximo a vida dos criminosos e sempre ao parar seu carro se assegurar que não há ninguém por perto com algum tipo de dispositivo, bem como focar na ação de travar o carro para que só então ele possa sair do local com tranquilidade.

Por fim, a autoridade policial esclarece que é de suma importância que a vítima registre o Boletim de Ocorrência para que então a Polícia Civil inicie as diligências investigativas. ‘O Boletim de Ocorrência é o documento que impulsiona a investigação, pois sem ele não como dar início aos trabalhos. Ele também tem importância para fins estatísticos, porque a partir do momento em que se toma conhecimento do real número de determinadas ocorrências, o poder público, através de seus gestores pode estar elaborando políticas públicas com base nesses dados estatísticos, ou seja, tem vários aspectos positivos em se fazer o registro da ocorrência”, finalizou.

Comentários do Facebook