Queimada em Alter do Chão-reproducao-whatsapp

A Polícia Civil do Pará deflagrou na manhã de terça-feira, 26, a operação “Fogo do Sairé”, que apurou a origem do incêndio de grandes proporções que atingiu a região de Alter do Chão, em Santarém, no oeste paraense, em setembro deste ano.

A PC cumpriu quatro mandados de prisão preventiva contra Daniel Gutierrez Govino, que é brighadista e atuou na operação de combate ao fogo, João Victor Pereira Romano, Gustavo de Almeida Fernandes e Marcelo Aron Cwerner, além de sete mandados de busca e apreensão em diversos endereços.

Segundo a polícia, durante dois meses de investigações, foram colhidos indícios que apontam o envolvimento de ONG’s, entre elas, a Brigada de Incêndio de Alter do Chão, como causadoras das queimadas.

A área atingida por queimadas em Alter do Chão totalizaram 1175,687 hectares, o equivalente a 1.647 campos de futebol. Os dados foram divulgados pelo Laboratório de Georreferenciamento (LabGeo) do Centro de Informações Ambientais de Santarém.

Um dos alvos da operação, a ONG Projeto Saúde e Alegria, divulgou uma nota no começo da tarde. De acordo com a organização, o projeto“foi surpreendido nesta manhã com a busca e apreensão de documentos pela Polícia Civil”.

A nota diz ainda que “não existe no momento nenhum procedimento contra o Projeto Saúde e Alegria, mas apenas a apreensão de documentos institucionais no âmbito de um inquérito a respeito do qual ainda não temos acesso a nenhuma informação. Reforçamos que estamos colaborando com as investigações. A instituição acredita no Estado Democrático de Direito e espera assim como todos os que estão acompanhando, o mais rápido esclarecimento dos fatos”. (Roma News)

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.