Ex-presidente do Conselho Administrativo do Instituto de Gestão Previdenciária do Tocantins (IGEPREV), Eduardo Siqueira Campos (PTB)
Ex-presidente do Conselho Administrativo do Instituto de Gestão Previdenciária do Tocantins (IGEPREV), Eduardo Siqueira Campos (PTB)
Ex-presidente do Conselho Administrativo do IGEPREV, Eduardo Siqueira Campos (PTB)

Eduardo Siqueira Campos, Secretário de Relações Institucionais e principal responsável pelo desvio de quase 500 milhões de reais da aposentadoria dos funcionários públicos do Tocantins consegue por meio da direção nacional do seu partido (PTB) suspensão da audiência que estava marcada para o dia 04 de dezembro, a pedido da Senadora Kátia Abreu (PMDB).

Senador Gim Argello (PTB/DF) apresentou requerimento pedindo a suspensão da audiência pública solicitada pela senadora Kátia Abreu (PMDB), alegando que não compete ao Senado Federal discutir o assunto que diz respeito especificamente ao Tocantins, mas seria competência da Assembléia Legislativa do Estado.

A audiência fica suspensa até que o requerimento do senador Gim Argello seja votado pelos 27 senadores da Comissão, inclusive a senadora Kátia Abreu, o que deve acontecer na próxima terça-feira, 3.

ENTENDA

A  Comissão de Assuntos Econômicos (CAE)  havia agendado para o dia 4 de dezembro, audiência pública do Igeprev que trataria dos possíveis desvios de recursos com aplicações em fundos que não são administrados por bancos de primeira linha. O requerimento partiu da Senadora Kátia Abreu.

A senadora afirmou em requerimento que “são fartos os indícios e as provas colhidas pela Polícia Federal que demonstram a existência de uma parceria firmada entre os responsáveis pela direção do Igeprev e os chefes da organização criminosa”. Ela também pontuou que “com um fundo de caixa de R$2,5 milhões, a administração do Igeprev aplicou R$ 500 milhões em fundos que não são administrados por bancos de primeira linha”.

Comentários do Facebook