Adolescente em semiliberdade consegue seu primeiro emprego

O acesso a empregabilidade faz parte de um dos eixos do Plano Nacional de Atendimento Socioeducativo que tem a finalidade de incluir adolescentes no mercado de trabalho dando uma nova perspectiva de vida. Diante disso, a Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju) assinou termo de cooperação com a Rede Nacional de Aprendizagem Promoção Social e Integração (Renapsi), com o intuito de poder oferecer aos socieducandos uma oportunidade de emprego.

O adolescente da Unidade Socioeducativa de Semiliberdade de Palmas (USL), N. L. B, 16 anos, que assinou contrato empregatício para trabalhar como auxiliar administrativo, receberá capacitação do Módulo Básico para desempenhar sua função e irá cumprir carga horária de trabalho de 20 horas semanais, trabalhando de segunda a sexta-feira, com um contrato que tem a duração 16 meses.

A gerente do Polo/Renapsi/ TO Patricia Lucena, destacou a importância da inserção ao mercado de trabalho. “O primeiro emprego proporciona renda, qualificação profissional, permanência na escola, fortalecimento de vínculos familiares e inserção social, acreditamos que juntos podemos transformar vidas!”.

N. L. B, está entusiasmado com seu primeiro emprego e fala com felicidade sobre como essa oportunidade irá lhe auxiliar no processo de ressocialização e mudança de vida. “Para mim está sendo uma grande oportunidade, estou cumprindo uma medida e dessa forma o emprego irá me auxiliar, além de ser uma porta para que eu saia dessa vida”, relatou.

A pedagoga, Mara Moraes, da equipe técnica da unidade de semiliberdade acompanhou o jovem nos processos de seleção e afirma que a oportunidade de emprego vai auxiliar o adolescente em sua ressocialização.  “O adolescente cumpridor de medida na unidade socioeducativa de semiliberdade deve estar inserido nos espaços sociais sempre que possível, tendo em vista que ele voltará para a sociedade. Nós da equipe técnica, estamos gratos e esperançosos com essa oportunidade que ele terá de vislumbrar novos horizontes”, ressaltou a profissional.

A assistente social da equipe técnica da unidade, Daielly Matos, considera que o adolescente está tendo a chance de escrever uma nova história de vida. “A profissionalização e empregabilidade são oportunidades que proporcionam ao adolescente traçar novos caminhos, desenvolver habilidades e potencialidades, apresenta novos rumos, amplia sua visão de mundo e realidade, enfim, impulsiona o jovem a ser protagonista de sua história e mudar sua realidade, dando um novo sentido para sua vida “, vislumbrou.

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.