Franck Tamba
Franck Tamba

Candidato de oposição na eleição para reitor do IFTO (Instituto Federal do Tocantins), o professor Frank Tamba garantiu, no debate realizado na noite desta segunda-feira, 30, no campus de Paraíso do Tocantins, que vai sepultar o ponto eletrônico implantado pelo continuísmo na instituição. Além disso, Tamba voltou a apontar, com diversos exemplos, que o IFTO segue, totalmente, isolado da sociedade e sem qualquer integração entre as suas unidades. Defendeu ainda a ampliação de atividades para os alunos da instituição. “Precisamos de mais atividades fora da sala de aula. Foram construídas várias paredes, vários prédios, mas esqueceram das pessoas”, ressaltou, citando o caso do próprio campus de Paraíso.

No debate, Tamba e o candidato do continuísmo, o diretor do IFTO de Paraíso, Antônio da Luz Júnior, apresentaram suas propostas para o comando da instituição e responderam questionamentos de um para o outro e da plenária que lotou o local no pátio interno armado para o debate.

Um dos principais embates foi sobre o ponto eletrônico para os técnicos-administrativos. Implantado pela reitoria e pelo atual grupo político dominante, sem qualquer diálogo com os servidores, o mecanismo é alvo de descontentamento dos funcionários. Tamba perguntou a Antônio da Luz qual era sua posição sobre o ponto eletrônico. O candidato da situação riu no momento da resposta, tentou ser irônico, e afirmou ser contrário ao ponto.

Na réplica, Tamba ressaltou que o oponente é um entusiasta do ponto eletrônico e, para provar isso, leu trecho de ata de reunião do Colégio de Diretores do IFTO de fevereiro de 2014, que diz o seguinte: “Na ocasião, Antônio da Luz informou que o campus de Paraíso do Tocantins está providenciando a implantação do ponto eletrônico para os servidores técnico-administrativos, em razão da grande dificuldade de acompanhamento de frequência”. Na sequência, Tamba foi firme ao detalhar que já tem um estudo jurídico que permite acabar com o modelo de ponto eletrônico implantado.  “Se o senhor é o pai do ponto, eu vou ser o coveiro do ponto eletrônico do IFTO”, frisou. Na tréplica, Antônio da Luz mostrou nervosismo, e chegou a desrespeitar Tamba, chamando o adversário de “ridículo” e “baixo”.

Clima

O debate teve um clima de torcidas animadas e aguerridas. Por causa de alguns excessos em comemorações, em mais de uma oportunidade, o mediador do debate, professor Klaus Rene, ameaçou encerrar o confronto de ideais e pediu silêncio da plateia.

Isolamento

Tamba voltou a defender a necessidade de o IFTO sair do isolamento total que se encontra para poder recuperar o protagonismo da instituição. O candidato de oposição detalhou diversos casos que mostram que essa postura da instituição atrapalha o Instituto, cria diversos entraves e prejudica toda a comunidade acadêmica. Entre estas situações, estão os cursos do Pronatec de Paraíso, que tiveram resultado muito aquém do esperado.

“Há uma expectativa das pessoas por mudanças. Temos que quebrar o isolamento. Já falamos várias e várias vezes de como esse isolamento atrapalha. O IFTO precisa dialogar com todos os setores da sociedade, com o poder público, com o setor produtivo, com a iniciativa privada”, ressaltou Tamba ao destacar que só dessa forma é possível firmar novas parcerias que tragam benefícios aos alunos, ajudando os entrar no mercado de trabalho, bem como a todos os servidores.

Pessoas

Em relação aos alunos, Tamba detalhou várias de suas propostas. Defendeu suporte da instituição para que os CAs (Centros Acadêmicos) e o próprio DCE (Diretório Central de Estudantes) tenham autonomia necessária para as suas atividades. Além disso, destacou que é necessário o IFTO viabilizar alojamento para os alunos que não são das cidades dos campi, pois isso amplia as oportunidades para que o estudante conclua o curso. “Eu fui aluno de escola técnica e sei o quanto isso é importante para facilitar o aprendizado e para conseguir oportunidades”, ressaltou.

O candidato de oposição salientou, ainda, que a instituição precisa ter programas permanentes de apoio a ações esportivas e artísticas. Lembrou que o artista consagrado palmense, Paulo Viera, é oriundo de um apoio da instituição, mas que isso nunca teve continuidade. “Temos que pensar muito mais além da sala de aula. Temos que pensar nos alunos também”, ressaltou Tamba, ao destacar que esse tipo de apoio na assistência estudantil precisa ser permanente e não só apenas na época de eleição.

Encerramento

Nas considerações finais, Tamba ressaltou que gestão pública é ato contínuo e, mesmo sendo candidato de oposição, irá manter as ações do IFTO que estão dando certo. Porém, destacou que o instituto precisa de novas pessoas, com a saída do atual grupo que está há quase uma década. “Com todo respeito aos que fazem parte da reitoria, já deu, já basta. Precisamos mudar”, salientou.

Ele também elogiou o nível da campanha até agora, apenas ressalvando os ataques de Antônio da Luz na pergunta sobre o ponto eletrônico. “O senhor me chamou de ridículo e baixo, creio que isso não é atitude de um futuro reitor. Mas eu entendo o nervosismo e o calor do debate, por isso eu o perdoo”, salientou.

O debate em Paraíso foi o quinto da campanha do IFTO. Todos são organizados pela Comissão Eleitoral do pleito. Antes, ocorreram confrontos de ideias em Araguatins, Colinas, Formoso do Araguaia e Dianópolis. Nesta quarta-feira, 1º de novembro, será realizado o debate em Palmas e a eleição acontecerá no dia 7 de novembro.

Comentários do Facebook