cacique mostra os ferimentos do rosto e do braço (foto: reprodução/g1 to)Ele alega que fugiu do local com medo da reação dos indígenas.

O motorista do caminhão que transportava 75 índios e que tombou em um acidente na noite desta segunda-feira (14), se apresentou na Delegacia Regional de Araguaína, nesta quarta-feira (16). Segundo a delegada Verônica Carvalho, Gilvan Alves da Silva, 33 anos, chegou à delegacia acompanhado do advogado e afirmou que fugiu do local com medo da reação dos índios. “Mencionou que ele evadiu no sentido de preservar a sua integridade física”, explica.

A delegada disse ainda que após prestar depoimento o motorista foi liberado. Cerca de 20 pessoas já foram ouvidas na investigação, que tenta apontar quais foram as causas do acidente. Três índios morreram e outros 20 ficaram feridos quando o caminhão tombou na BR-010, entre os municípios de Barra do Ouro e Itacajá. As vítimas foram socorridas com a ajuda de carros particulares e ambulâncias de cidades vizinhas.

O cacique da aldeia Bacurí, Antônio Krahô, está entre as vítimas do acidente e se recupera dos ferimentos que sofreu na cabeça e no braço direito. “Estou me consultando, tomando comprimidos. Já consigo levantar o braço”, conta mostrando os machucados.

Dez pessoas continuam internadas no Hospital de Referência de Araguaína. Os índios que receberam alta foram levados para a Casa de Apoio a Saúde Indígena de Araguaína (Casai). No local, 22 adultos e 13 crianças, que estavam no caminhão, estão sendo acompanhados por uma equipe médica antes de voltar para as aldeias. “A maior preocupação nossa é que a maioria deles tiveram muito traumatismo craniano”, disse o médico Angel Lemes.

Os índios disseram que perderam roupas e documentos no acidente. Por isso, a Casai está pedindo ajuda para quem puder fazer doações à instituição. “A equipe da Casai fez uma campanha com alguns parceiros que já tem na cidade e recolheu algumas roupas. A gente está pedindo essa colaboração à comunidade de Araguaína, com doação de roupas, calçados, fraldas descartáveis”, disse a coordenadora da instituição, Ivaneizília Noleto.

Entenda

A Fundação Nacional do Índio (Funai) enviou um ofício à Prefeitura de Itacajá solicitando um caminhão, em um período de cinco dias, que seria utilizado para carregar materiais para as aldeias. Segundo a prefeitura, a gestão desconhecia que o veículo seria usado para transportar pessoas.

O motorista perdeu o controle do veículo e tombou na BR-010, onde cerca de 70km não são pavimentados. A maior parte das pessoas foi arremessada para fora da pista. Entre as vítimas, duas crianças, de 8 e 13 anos e Valdir Krahô, de 35 anos. Ana Catôco Krahô perdeu o marido e a filha no acidente. Ela conseguiu salvar apenas a outra filha, Isabela, de 8 meses.

O cacique da Aldeia Nova, Aroldo Krahô, contou que o motorista dirigia em alta velocidade e, após o acidente, fugiu do local. A suspeita é de que o motorista estava alcoolizado. Os pneus traseiros do veículo estavam carecas.

Ao todo, 56 pessoas foram hospitalizadas, sendo 27 no Hospital de Referência de Araguaína, e 29 na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do setor Araguaína Sul; 17 estão em observação. Quase a metade dos atendidos eram crianças entre dois e 12 anos. Os corpos das vítimas foram encaminhados para o Instituto Médico Legal de Araguaína.( g1 to)

Comentários do Facebook