Produtores rurais do município de Itacajá, participaram nesta sexta-feira, 25, da 2ª edição do projeto de Recebimento Itinerante (RI) de embalagens vazias de agrotóxicos realizada em frente ao ginásio de esporte daquele município, onde foram devolvidas 728 embalagens com envolvimento de 28 produtores rurais. A ação foi realizada numa parceria entre a Agência de Defesa Agropecuária (Adapec), o Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (Inpev), Prefeitura Municipal de Itacajá, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e de Agricultura, Associação das Revendas de Insumos Agropecuários do Médio Norte Tocantinense (Atria) e as duas revendas local.

O chefe da unidade local de Itacajá, Erlandson Alves de Assis, comentou o resultado da ação. “Avaliamos como positiva esta 2ª edição do RI aqui em nosso município, pois além de aumentar o número de embalagens devolvidas, possibilitou que novos produtores rurais que não participaram do projeto no ano passado pudessem agora devolver suas embalagens vazias de agrotóxicos, e assim, retirar do campo este passivo”, disse Erlandson.

“A cada edição do projeto de recebimento itinerante de embalagens vazias de agrotóxicos confirma-se que este modelo de devolução está consolidado no Tocantins. É uma ação que em parceria com outros órgãos, possibilita aos produtores rurais, acesso a um local mais próximo para fazer a devolução das embalagens que estão em suas propriedades”, disse o presidente da Adapec, Humberto Camelo, acrescentando que a inclusão de Itacajá no calendário de R.I se deu pela importância produtiva da região e por está distante das centrais e postos de recebimento.

O gerente da central de recebimentos de embalagens de Pedro Afonso, Elias Riguetti disse que a participação da central na ação é para contribuir com os pequenos produtores rurais que possuem poucas embalagens vazias de agrotóxicos e não tem condições de se deslocar até Pedro Afonso para fazer esta devolução de forma correta.

O diretor de defesa, inspeção e sanidade vegetal da Adapec, Carlos Cesar Barbosa, disse que o resultado que mais interessa aos órgãos envolvidos na ação “é retirar do campo o passivo que está em poder dos pequenos produtores, e que, muitas vezes não tem condições de se deslocarem para fazer a devolução de apenas uma ou duas embalagens” destacou o diretor, reafirmando que nenhuma embalagem de agrotóxico deve ficar nas propriedades.

Todo o material recebido foi encaminhado à central de Pedro Afonso, e posteriormente serão recolhidas pelo Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (Inpev) para destinação final, reciclagem ou incineração.

 

Comentários do Facebook