Filha de dona Angelina pede justiça sobre a morte da mãe — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

A filha de Angelina Macedo de Farias, que morreu aos 60 anos horas após deixar o Hospital Regional de Gurupi, está inconformada com o descaso. “Ela estava totalmente sem condições de sair de lá, de ter alta. Nós tentamos impedir, como está no vídeo, mas sem sucesso”, contou Núbia Macedo. Ela disse que questionou o estado de saúde da mãe, mas a médica respondeu que pacientes que tinham passado pelo procedimento ficavam daquele jeito mesmo.

“Eu quero justiça pela minha mãe”, diz a filha emocionada. O caso está sendo investigado pelo Ministério Público do Tocantins. O outro filho dela, Marcos Borges de Macedo, também afirma que a médica disse que a viagem não era de risco.

“No começo da semana o médico falou que ela estava bem e não precisava preocupar mais. Aí ontem [terça-feira] entraram em contato com o hospital de Araguaçu para encaminhar ela para Araguaçu. A gente ainda falou que ela não tinha possibilidade de viajar, mas uma médica disse que ela estava bem e iria ficar só mais dois dias internada em Araguaçu e depois iria para casa”.

O promotor do caso, Marcelo Lima Nunes, deu um prazo de cinco dias para que a diretoria do Hospital Regional da cidade apresente informações detalhadas. Ele pediu ainda os nomes de todos os envolvidos na situação e determinou que o procedimento seja encaminhado para a 1ª ou 2ª Promotoria de Justiça Criminal de Gurupi para “apuração de eventual prática criminosa por parte dos médicos e demais envolvidos no caso”.

Um vídeo que circulou nas redes sociais feito na tarde de terça-feira (14) mostra o momento em que a mulher sai do Hospital Regional de Gurupi. Nas imagens, Angelina Macedo aparece bastante debilitada. Segundo a família, ela morreu menos de uma hora após enfrentar a viagem de 190 quilômetros entre Gurupi e Araguaçu.

Momento em que idosa saiu do Hospital Regional de Gurupi / Foto: Reprodução

Angelina Macedo começou a apresentar sintomas no início do mês e chegou a fazer quatro testes rápidos até ter um diagnóstico positivo. Internada no Hospital Regional de Gurupi, ela ainda estaria esperando o resultado de outro exame para saber se ainda estava com o vírus ativo.

Indignado, o filho lamenta a morte e disse que vai procurar Justiça. “Eles não tinham que ter dado alta para ela porque saiu da intubação em um dia e no outro teve alta. Até a medicação que era para ela tomar, a médica esqueceu de mandar pela ambulância. Chegou em Araguaçu em uma ambulância sem respirador, nem soro não tinha”, lamentou.

O Hospital Regional de Gurupi é a unidade de referência para tratamento de coronavírus na região sul do estado. Na última segunda-feira (12), a unidade chegou a ter 100% dos leitos ocupados.

Angelina Macedo de Farias foi enterrada na tarde de terça-feira (14) em Araguaçu. O município emitiu uma nota lamentando a morte. O óbito foi confirmado no boletim da cidade divulgado durante a noite. A cidade tem 134 diagnósticos de coronavírus e duas mortes confirmadas.

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) disse que lamenta o falecimento da Sra. Angelina Macedo e se solidariza com a família neste momento de dor. A SES informou que vai “investigar as circunstâncias do ocorrido, desde o atendimento inicial até o óbito dessa paciente que esteve sob os cuidados das equipes multiprofissionais dos hospitais regionais de Gurupi e Araguaçu”. (Do G1/TO)

Comentários do Facebook