Maple Bear mira Região Norte e deve gerar investimentos de R$ 20 mi e 400 empregos

A Maple Bear, rede de franquia com metodologia canadense de ensino bilíngue reconhecida entre as melhores do mundo, pretende mais que dobrar sua presença na Região Norte até o fim de 2021. Atualmente, são sete escolas com alunos nos ensinos Infantil, Fundamental e Médio em operação nas capitais, exceto no estado do Amapá. A rede pretende implantar mais 11 escolas em cidades estratégicas do interior de quatro estados da região. Esse movimento irá gerar um investimento de R$ 20 milhões e cerca de 400 empregos diretos. Nos próximos dias, representantes da franqueadora irão se reunir virtualmente, via Skype, com investidores locais interessados em abrir unidades Maple Bear nas cidades de Ananindeua, Marabá, Parauapebas e Santarém, no Pará; Macapá e Santana, no Amapá; Araguaína e Gurupi, em Tocantins; Ariquemes, Ji-Paraná e Vilhena, em Rondônia.

 A representante oficial do ensino canadense no País é uma excelente alternativa para quem deseja ser dono de uma escola de educação básica, que inicia no Ensino Infantil e pode avançar até o Ensino Médio. Atualmente, são mais de 30 mil alunos nas 145 unidades em operação. A rede iniciou sua expansão no Brasil pela Região Sudeste, mas agora visa ampliar sua presença nacionalmente, incluindo cidades do interior.

 De acordo com dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF), franquias de Serviços Educacionais registraram um crescimento em 2019 frente ao ano anterior de 7,4% em faturamento, ficando em terceiro lugar no ranking dos segmentos que mais cresceram no período. Com altos índices de analfabetismo funcional e baixa penetração do ensino superior e de línguas, as franquias de educação tem um campo vasto, especialmente na área do bilinguismo, no qual, segundo dados do British Council, apenas 1% dos brasileiros tem alguma fluência em inglês.

 Além de populações e renda significativas e em crescimento, as cidades mapeadas da região Norte apresentam traços comuns na área de educação, como alta concentração de escolas de métodos tradicionais conteudistas e, em específico, carência no bilinguismo genuíno fora das capitais. “Até o momento, identificamos apenas escolas que oferecem a segunda língua no contraturno, mas a proposta da Maple Bear é muito mais profunda. Em nosso programa, os três primeiros anos são ministrados 100% em inglês e nos anos seguintes 50% das aulas. Com isso, o aluno desenvolve uma fluência muito rapidamente. Soma-se a isso uma metodologia na qual o aluno é protagonista no processo de aprendizagem, cujo foco se dá no desenvolvimento de suas habilidades, em detrimento da memorização inerente ao método de escolas tradicionais. Formamos um cidadão muito mais preparado para um mercado de trabalho cada vez mais dinâmico, competitivo e globalizado”, afirma o diretor de expansão da Maple Bear, Adriano Magalhães.

Com origem em Vancouver, a rede oferece ensino de excelência fundamentado nas melhores práticas do modelo canadense que, além de pioneiro em bilinguismo, é líder entre países de língua inglesa e reconhecido como um dos melhores do mundo. O setor é altamente atrativo para investidores, uma vez que proporciona receita recorrente, permanência dos alunos na escola por vários anos e com índice de rematrícula superior a 90%. O investimento, a partir de R$ 1,2 milhão, é realizado de forma progressiva, pois as escolas iniciam com as séries do Ensino Infantil, ampliando sua oferta para Fundamental e Médio conforme a demanda.

 A Maple Bear chegou ao Brasil em 2006 e foi adquirida em 2017 pelo grupo SEB – um dos líderes no mercado de ensino privado no País. A operação brasileira é a mais bem-sucedida mundialmente, mas a marca também está presente em outros países, com cerca de 450 escolas pelo mundo, evidenciando uma trajetória e estrutura consolidadas.

Comentários do Facebook