Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Os promotores de Justiça Leonardo Olhe Blanck e Saulo Vinhal estiveram reunidos nesta sexta-feira, 03, com o prefeito de Araguaína, Ronaldo Dimas, e com o secretário estadual da Saúde, Edgar Tolini, para discutir a situação epidemiológica de Araguaína e a capacidade de atendimento da rede pública na cidade, de modo a evitar a futura transferência de pacientes para a capital.

A discussão foi ampla, tendo o secretário defendido que o município terá condições de suportar a demanda de pacientes, considerando-se as projeções de contaminação. Sobre este fato, os membros do MPTO alertaram para a fragilidade das testagens e para as possíveis subnotificações, que não permitem verificar o nível real de contaminação.

Sobre a capacidade de atendimento, foi informado que haverá a disponibilidade de 10 leitos extras de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e sete novos respiradores, podendo ainda ser adquiridos outros destes equipamentos. Nesse sentido, o MPTO defendeu junto ao secretário de saúde que os pacientes considerados graves sejam internados em UTIs na cidade de Araguaína e não transferidos para a Capital, como previamente definido no plano de fluxo de atendimento.

Informou-se também que o Hospital Municipal recebeu novos leitos, que a Unidade de Pronto Atendimento também receberá camas extras e que o Hospital Dom Orione poderá ter sua capacidade ampliada, o que depende da liberação de recursos provenientes de emendas parlamentares. (Flávio Herculano)

Comentários do Facebook