O Ministério Público do Tocantins (MPTO) expediu nesta sexta-feira, 17, recomendação ao secretário municipal de Educação de Gurupi, Eurípedes Fernandes Cunha, para que providencie a reintegração de todos os servidores públicos que tiveram seus contratos temporários rescindidos unilateralmente pela gestão municipal, no dia 2 de abril de 2020. Segundo noticiado pela imprensa local, 80 profissionais que trabalham como professores, merendeiras e servidores administrativos, foram surpreendidos pela rescisão do contrato em razão da suspensão das aulas na rede pública municipal por tempo indeterminado, por causa da pandemia do coronavírus.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O promotor de Justiça Roberto Freitas Garcia, constatou que as demissões não se enquadram em nenhuma das hipóteses previstas no art. 16 da Lei Municipal nº 2.392/2018. “O prazo contratual continua vigente e não houve nenhuma infração administrativa por parte dos servidores que pudesse ensejar o término do contrato. Além disso, os servidores não foram avisados com antecedência mínima de 30 dias sobre o encerramento do seu vínculo”, observou.

Para o promotor, a administração pública dispõe de outras alternativas para manutenção do vínculo dos profissionais da educação enquanto perdurar a suspensão das aulas por causa da situação de emergência de saúde pública. O promotor anota, como exemplo, a alteração do prazo final dos contratos temporários e concessão de férias aos servidores que tenham direito ao seu gozo, dentre outros.

A 8ª Promotoria de Justiça de Gurupi estabeleceu o prazo de 24 horas para que o secretário Eurípedes Fernandes Cunha atenda a recomendação. O promotor recomendou, ainda, que a Secretaria de Educação se abstenha de rescindir os contratos temporários dos demais servidores públicos municipais durante a pandemia da Covid-19, exceto quando estritamente autorizadas por quaisquer das situações previstas em Lei.

Comentários do Facebook