Em tempos de pandemia, indígenas são considerados especialmente vulneráveis. Sabendo disso, o Tocantins foi um dos primeiros Estados da Federação a inserir a saúde indígena no Plano de Contingência do novo Coronavírus. O plano construído pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) trata-se de medidas de prevenção e controle para a assistência ao paciente com suspeita ou confirmação da Covid-19.

Recentemente, membros da Superintendência de Políticas de Atenção à Saúde (SPAS) da SES, juntamente com representantes do Distrito Sanitário Especial Indígena do Tocantins (DSEI/TO) discutiram em webconferência assuntos voltados à assistência à saúde da população indígena tocantinense além de ações para evitar a propagação do vírus nas aldeias.

“Aliamos o Plano Estadual de Contingência para o novo Coronavírus com o Plano de Contingência do DSEI/TO e, com isso, garantimos a inclusão da população indígena no acesso à saúde, em todos os níveis de atenção, nos possíveis casos de infecção por Covid-19”, destacou a titular da SPAS, Juliana Veloso.

O coordenador do DSEI/TO, Sebastião de Gois Barros, ressaltou a vulnerabilidade da população indígena. “Os povos indígenas têm vulnerabilidade epidemiológica, biológica em especial a viroses e infecções respiratórias. As epidemias e os elevados índices de mortalidade pelas doenças transmissíveis contribuíram de forma significativa na redução do número de indígenas que vivem no território brasileiro, estimadas em cerca de cinco milhões de pessoas no início do século XVI, e no extermínio de povos inteiros. As doenças do aparelho respiratório ainda continuam sendo a principal causa de mortalidade infantil na população indígena”, declarou.

Dados

Conforme dados do DSEI, atualmente o Tocantins possui uma população de 12.573 indígenas, vivendo em 205 aldeias, representados por 12 grupos étnicos.

Comentários do Facebook