Principal sede do Governo do Estado e local onde são tomadas as mais importantes decisões político-administrativas do Estado, o Palácio Araguaia tem atraído olhares de todas as partes. Só que dessa vez, de estudantes, ansiosos por conhecimento, ou turistas, que chegam à Capital como ponto de partida para apreciar as belezas do nosso Estado. A sede do Executivo virou ponto oficial para quem quer conhecer um pouco mais da criação do estado caçula do Brasil.

Visitar o Palácio, guiados por profissionais do cerimonial do governo estadual, possibilita o acesso uma gama de informações como arquitetura moderna e imponente que ocupa os 14 mil metros quadrados de área do prédio; os detalhes da fachada, que é marcante pela presença dos arcos; as paredes externas que são molduradas na parte superior por um conjunto de placas que formam o Monumento Artístico; além dos detalhes internos como os painéis das Lutas e das Conquistas que trazem a história do Tocantins mesmo antes da sua criação.

Na manhã desta terça-feira, 6, por exemplo, a professora Khellen Cristina Pires Soares, coordenou uma turma de 40 acadêmicos do curso de Educação Física do Instituto Federal do Tocantins (IFTO) de Palmas. Ela explicou a importância desses universitários conhecerem o órgão. “Para que eles conheçam, valorizem, se apropriem desses espaços, porque muitos não conhecem. Além da construção histórica para que, ao utilizar esses locais como trabalho, possam fazer intervenções pedagógicas, trazendo seus alunos para cá também levando esse conhecimento”, explicou.

Entre os universitários estava Cejane Carvalho, que contou o que achou da experiência. “Nós tocantinenses, moramos em Palmas e não conhecemos nada da nossa Capital. A visita, guiada ou não, é importante porque abrimos nossos olhos para coisas que muitas vezes a gente não percebe. A gente vem aqui, participa de provas, fazemos atividades físicas na Praça, e às vezes não se atenta para a história de como aconteceu, como tudo isso começou. Tantos monumentos aqui dentro da Praça e a gente não conhece. Conhecer a nossa própria história é muito importante”, declarou.

O diretor geral do Colégio Esportivo Militar do Corpo de Bombeiros, major Nilton Rodrigues dos Santos, também fez questão de trazer 31 alunos do 7º ano da escola. “São alunos que estão tendo uma aula de como foi criado o Estado. É importante eles conhecerem que foram as lutas de outras pessoas do passado que foi possível construir o que temos hoje. A gente valoriza mais”, pontuou.

O estudante Rick Ribeiro é um deles. “A gente vindo aqui visita um pouco da história de Palmas, do Tocantins. Fiquei impressionado como essa praça é grande, não sabia que era a maior da América Latina. Tenho 13 anos e nunca tinha vindo aqui. Achei muito legal”, contou o garoto.

E a manhã de visitações encerrou com um grupo de 50 pessoas do Pará, como a conselheira tutelar Flávia Rayane Pereira, de Santarém, primeira vez no Estado. “Estamos conhecendo um pouco da história e é muito bacana. Apesar de a gente não morar aqui é a história do nosso País. É gratificante.”

A servidora pública Leide Theophilo, que compõe a equipe do cerimonial do Palácio Araguaia, foi quem acompanhou as mais de 100 pessoas nesta terça. Capacitada para atender o público, Leide contou que as visitas são cheias de questionamentos. “Existe toda uma curiosidade de saber como funciona porque é muito mais que um prédio. Aqui é a história do início da cidade, da capital, por que não dizer do Estado”, ressaltou.

Detalhes

Tanto a área externa quanto a interna do Palácio é rica em detalhes e informações. É o caso das frisas na parte superior do prédio. São 144 placas que contam a história do Tocantins, desde o período geológico até a realização da primeira missa de implantação de Palmas. Elas seguem uma ordem cronológica, iniciando‐se no pórtico central da entrada norte, seguindo à direita até contornar todo o Palácio.

Ao entrar no Palácio, um dos detalhes que mais chamam a atenção são os painéis: denominados Painel das Lutas e o Painel das Conquistas. As obras modernas são do artista plástico DJ Oliveira e apresentam traços do expressionismo ao cubismo. Foram feitos de cerâmica vitrificada, pintadas em técnica de porcelana. O Painel das Lutas retrata momentos históricos como o do navegador Francês La Planque e os índios Tupinambás que desbravaram o norte do Tocantins. Já o Painel das Conquistas retrata momentos históricos do período republicano e personalidades ilustres que fizeram parte das transformações do movimento separatista e da criação do Tocantins, como Couto Magalhães, Abílio Wolney, Dom Alano Du Noday, brigadeiro Lysias Rodrigues e Siqueira Campos. Neste painel estão cenas da consolidação do Tocantins e a instalação da capital Palmas.

Outra curiosidade é o fato do Centro Geodésico do Brasil estar localizado no hall de entrada do Palácio Araguaia. Ele é marcado pela Rosa dos Ventos. É o ponto central entre os extremos do nosso país (norte‐sul, leste‐oeste). Entretanto, para dar maior destaque ao monumento, foi criada a Rosa dos Ventos em tamanho maior, do lado de fora do Palácio Araguaia.

Estrutura

Inaugurado em 9 de março de 1991, o Palácio foi projetado pelos arquitetos Maria Luci da Costa e Ernani Vilela. Foram 13 meses de obra.  É um marco de onde foram projetadas ruas e avenidas da capital.

Comentários do Facebook