Foto: Divulgação

Viúva do senador João Ribeiro, falecido em 2013, a prefeita de Palmas, Cinthia Ribeiro, é proprietária de uma faculdade numa cidade próxima a Palmas, cuja avaliação do MEC (Ministério da Educação) está abaixo de índices considerados bons.

Ela, que ocupa pela primeira vez um cargo na vida pública herdado após a renúncia de Carlos Amastha em abril de 2018, aparece como sócia-administradora da Unest (União Educacional de Ensino Superior do Médio Tocantins Ltda), mantenedora da Faculdade de Ciências Jurídicas de Paraíso do Tocantins – (Fcjp), com sede em Paraíso do Tocantins, município que fica a 60 km da capital tocantinense.

Na segunda-feira, dia 9, o Diário Oficial da União (DOU) oficializou o pedido de descredenciamento da instituição. O MEC, no entanto, determinou que não pode haver prejuízos aos alunos. Em 2010, a Faculdade de Sistema de Informação da Unest tinha uma avaliação muito baixa do MEC, com 1,3 – a avaliação vai de 1 a 5.

Conforme cadastros do MEC, a representante legal é Niclair Alves Caetano, mãe da prefeita e tem como reitora Janaina Mendes De Sousa E Silva. A faculdade está localizada em cinco lotes da quadra 27 na Avenida Transbrasiliana, número 2.625, Vila Milena, em Paraíso. O contrato inicial de sociedade aponta que a empresa foi aberta com capital social de R$ 300 mil.

Mas o que chama atenção mesmo são os índices de avaliação do MEC para a faculdade. Eles estão abaixo de uma classificação média considerada pelo ministério, ou seja, são insatisfatórios.

O MEC possui o Índice Geral de Cursos (IGC) e o Conceito Preliminar de Cursos (CPC) como indicadores da qualidade das instituições e cursos.

No IGC, a nota do empreendimento educacional de Cinthia Caetano Ribeiro é “2”, conforme a atualização no portal do MEC referente ao ano de 2017. A propósito, a faculdade nunca conseguiu conceito melhor. Em dez anos, ou seja, de 2007 a 2017, a nota sempre foi “2”. Já no CI, o conceito 3, também referente ao ano de 2017.

ENTENDA OS ÍNDICES

O Índice Geral de Cursos (IGC) representa a nota da faculdade como um todo. O cálculo IGC é feito a partir da nota obtida nos últimos três CPCc, na avaliação da CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Nível Superior) e a quantidade de alunos nos cursos de graduação e pós-graduação oferecidos.

As faculdades são visitadas por avaliadores indicados pelo INEP que analisam o seu funcionamento. Assim como acontece com o CPC, a média inferior a 3 é considerada insatisfatória e a instituição possui um prazo para recorrer a média obtida. Caso a decisão final mantenha a média insatisfatória, a faculdade fica impedida de abrir novos cursos e ampliar a oferta de vagas para os que já existirem.

O objetivo do Conceito Preliminar de Cursos (CPC) é avaliar separadamente os cursos de graduação de uma faculdade. A nota CPC de uma instituição é calculada com base em seus resultados no Enade, avaliação do corpo docente, infraestrutura e recursos didático-pedagógicos. A escala de notas do CPC varia de 1 a 5, com médias abaixo de 3 consideradas insatisfatórias.

O Enade é um exame realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), que seleciona estudantes do primeiro e último ano de um curso para realizar a prova e testar a qualidade do ensino ofertado pela instituição. Nem todas as instituições aderem ao Enade e a prova só pode ser aplicada quando há alunos ingressantes e concluintes no curso.

VEJA O ATO DE DESCREDENCIAMENTO
http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/sumula-de-pareceres-215086796

VEJA AS NOTAS DA FACULDADE http://emec.mec.gov.br/

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.