Araguaína

Desde o mês de abril de 2020, a Prefeitura de Araguaína, por meio da Superintendência da Vigilância em Saúde, vem fazendo um mapeamento dos casos de coronavírus registrados na cidade. De acordo com o último boletim epidemiológico publicado no último dia 10, mais de 98% dos setores da cidade já possuem casos da covid-19.

Dos 123 bairros, incluindo os povoados de Araguaína, apenas dois ainda não tem casos notificados, o Setor George Yunes e o Povoado Pilões. De acordo com o superintendente da Vigilância em Saúde, Eduardo Freitas, este crescimento já era previsto.

“Por ser uma doença altamente contagiosa, o crescimento do número de casos na cidade já era esperado e com o monitoramento que vem sendo feito desde o início da pandemia, podemos planejar as ações municipais que nos ajudam a conter o avanço descontrolado da doença pela cidade”, explicou.

Os primeiros casos da covid-19 em Araguaína foram registrados em bairros centrais, como o setor São João, com 15 pessoas infectadas só no mês de abril, mas nos últimos meses o vírus se espalhou por outros bairros da cidade. Entre os mais afetados está o setor Araguaína Sul, com 642 casos, um número que já ultrapassa o do centro da cidade, região onde foram registrados os primeiros casos e hoje totaliza 428 pessoas infectadas até o momento.

O mapeamento também contabilizou os casos registrados na zona rural, que até o início de agosto foram 69, além de 52 casos de pacientes onde os endereços não foram informados.

Cuidados

De acordo com a Vigilância em Saúde de Araguaína, a principal forma de evitar o avanço do número de pessoas contaminadas pelo coronavírus é o isolamento social, seguido das medidas de higiene recomendadas em caso de extrema necessidade ao sair de casa, como o uso da máscara, higienização das mãos e distanciamento de no mínimo dois metros.

Cidade preparada

Além do Hospital Municipal de Campanha que hoje conta com 40 leitos para atendimento exclusivo de casos da covid-19, a Prefeitura também deu início à primeira etapa de construção da sede própria do Hospital Municipal Eduardo Medrado. O novo local deve ficar pronta em um prazo de 45 dias e servirá temporariamente como hospital de campanha com 60 leitos para tratamento da covid-19, sendo 20 em unidades de terapia intensiva e 40 clínicos que serão anexados futuramente ao restante da obra. (Felipe Maranhão)

Comentários do Facebook