Botox

Uma empresária da região de Taquaralto, em Palmas, foi indiciada pela Polícia Civil por exercício ilegal da medicina. A Polícia chegou até a mulher por meio da funcionária que divulgava, em seu instagram, as aplicações de toxina botulínica (Botox) que eram realizadas na clínica.

A funcionária também foi indiciada pelo crime de exercício ilegal da profissão, uma vez que era ela quem realizava os procedimentos nas clientes, entretanto,  foi constatado durante a investigação que ela não possui graduação na área médica.

Conforme Ibanez Ayres, Delegado Titular da 2ª Delegacia Especializada de Repressão às Infrações de Menor Potencial Ofensivo, ao ser interrogada a funcionária confirmou que não era graduada ainda para aquela modalidade, mas que em poucos meses concluiria o curso de odontologia.

De acordo com o depoimento da funcionária, a empresária dona da clínica tinha conhecimento de que ela não possuía formação acadêmica compatível com a atividade exercida.

A empresária e a funcionária foram indiciadas pelos crimes, respectivamente, de exercício ilegal da medicina, arte dentária ou farmacêutica e exercício Ilegal da profissão que prevê pena de detenção máxima de 2 (dois) anos.

Comentários do Facebook