A Semarh e a Defesa Civil Estadual fazem a validação dos dados que são confrontados com as informações do Monitor Secas

O mapa do Monitor de Secas apresentou informações sobre o Tocantins referentes ao mês de abril, data de transição do período chuvoso para o período de estiagem no Estado. Os dados mostram precipitações com valores iguais ou superiores a 300 milímetros (mm) no extremo norte e leste do Tocantins, quantidade que, de um modo geral, ficou dentro do esperado para o mês.

As precipitações registradas oscilaram entre 120 e 200 mm no Sul, no Norte as chuvas acumuladas no mês ficaram entre 100 e 400 mm e configuraram entre normal e acima do normal. Já no acumulado do trimestre, apesar de ficar entre 400 mm e 1200 mm, acusou uma forte anomalia na região sul do estado, registrando um aumento da área de seca moderada (S1) no Sul e a um recuo da seca fraca (S0) no Norte, permanecendo inalterada a área com seca grave (S2). Em grande parte da porção ocidental do Tocantins (Oeste) permanece sob condição de impactos de curto e longo prazo (CL), e o restante continua com impactos de longo prazo (L).

A elaboração das narrativas e o processamento dos dados para a elaboração dos mapas são de responsabilidade das instituições parceiras da Agência Nacional de Águas (ANA). As narrativas com a análise mensal dos dados do projeto Monitor de Secas são enviadas para os estados que fazem a validação das informações, conferindo a conformidade dos dados de acordo com a realidade da região.

Segundo o técnico ambiental da Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh), Francisco D. Medeiros “essa verificação dos dados por parte dos estados dá força na mecânica que o Monitor de Secas desenvolveu, que é a colaboração de todos no aprimoramento da própria ferramenta”. O servidor ainda destacou que o Tocantins trabalha com os formulários de campo que são entregues aos observadores das Defesas Civis Municipais e Corpo de Bombeiro Militar do Estado. “Após o preenchimento desses formulários a Semarh e a Defesa Civil Estadual fazem a validação dos dados que são confrontados com as informações do Monitor Secas”, pontuou.

No Tocantins, único Estado da região norte do país incluído no programa Monitor de Secas, a verificação das informações é feita pela Semarh. Os dados são disponibilizados mensalmente para a análise e possíveis correções e posteriormente enviados para publicação no site do Monitor de Secas.

Monitor de Secas

O monitoramento pioneiro na região nordeste é usado como modelo em outras regiões do país buscando tornar o acompanhamento uniforme no Brasil. O Monitor tem capacidade de alcançar um novo patamar na história de preparação para a seca por se tratar de um mecanismo de integração da informação nas áreas de meteorologia, recursos hídricos e agricultura. Assim, a ação permite a inclusão de mais dados, trazendo melhorias para a verificação da seca com mais precisão, facilitando a elaboração de políticas públicas por parte dos gestores municipais e estaduais.

O mapa do Monitor de Secas pode ser consultado através do link

Comentários do Facebook