Cleones da Silva Santos, 42 anos, principal suspeito de assassinar Ana Lúcia Feitosa, 23.
Cleones da Silva Santos, 42 anos, principal suspeito de assassinar Ana Lúcia Feitosa, 23.
Cleones da Silva Santos, 42 anos, principal suspeito de assassinar Ana Lúcia Feitosa, 23.

A Polícia Civil, por intermédio da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), realizou, na tarde desta sexta-feira, dia 26, a transferência do Estado de Pernambuco para o Tocantins, de Cleones da Silva Santos, 42 anos, principal suspeito de assassinar Ana Lúcia Feitosa, 23, na presença do filho de apenas 3 anos. O crime ocorreu na madrugada do dia 17 de outubro de 2015, em uma kitnet localizada na Quadra 604 Sul, em Palmas, onde a mulher residia com o filho.

De acordo com o delegado João Sérgio Vasconcellos Kenupp, titular da DHPP, logo após o crime, Cleones fugiu para a cidade de Caruaru-PE, onde utilizava o nome de Zezinho e trabalhava como ajudante de pedreiro, ele havia tingido os cabelos de loiro para evitar qualquer tipo de reconhecimento. Ainda conforme o delegado, uma mulher com quem Cleones passou a se relacionar, descobriu, por meio da internet, que o suspeito havia cometido um crime de homicídio, em Palmas.

Foi a namorada que fez a denúncia à Delegacia de Plantão de Palmas, no dia 6 deste mês (fevereiro), informando sobre o paradeiro de Cleones. A informação foi repassada à DHPP que enviou à Caruaru (PE), o mandado de prisão temporária, o qual foi cumprido no dia 11 de fevereiro, por volta das 4h30min da madrugada, quando o suspeito saiu de casa para trabalhar, no Distrito de Vila Canaã.

Ciente da prisão de Cleones, uma equipe de Policiais Civis de Palmas deslocou-se até Caruaru (PE) com a finalidade de realizar o recambiamento do foragido para Palmas, onde o mesmo chegou por volta das 18hs desta sexta-feira, sendo recolhido à Casa de Prisão Provisória de Palmas (CPPP), onde permanecerá à disposição do Poder Judiciário.

Segundo o delegado, a prisão de Cleones é temporária de 30 dias e poderá ser prorrogada por igual período ou convertida, pelo poder judiciário, em preventiva. “O próximo passo da investigação será ouvir Cleones a respeito das circunstâncias em que o crime foi praticado, o que deverá ocorrer nos próximos dias” frisou.(Ascom/SSP)

Comentários do Facebook