Fundo da Infância e Adolescência de Araguaína recebe doação no valor de R$ 40 mil do Banco da Amazônia

O prefeito de Araguaína, Wagner Rodrigues, recebeu nessa sexta-feira, 8, representantes do Banco da Amazônia (Basa), para a entrega da doação de R$ 40 mil destinados ao Fundo Municipal da Infância e Adolescência (FIA). Todo o valor arrecadado anualmente pelo FIA, é destinado a instituições que executam projetos sociais, como a APAE de Araguaína e a Casa de Davi.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O cheque simbólico foi entregue pelo superintendente do Basa, Marivaldo Melo, que falou sobre a importância da participação de outras instituições.

“Este é o terceiro ano que participamos deste projeto, fazendo doações ao Fundo da Infância e Adolescência por meio da dedução dos impostos. É importante dizer que qualquer empresa pode fazer o que estamos fazendo hoje e é uma forma de contribuirmos com a cidade, disse  Marivaldo Melo.

O fundo foi criado para a execução de políticas públicas que garantam os direitos das crianças e adolescentes de Araguaína, ampliando os recursos por meio de doações arrecadadas com as declarações do Imposto de Renda de pessoas físicas e jurídicas, recursos do Orçamento Público e doações diretas.

“Este recurso tem sido importante para as crianças e adolescentes atendidos por programas sociais em nossa cidade, além de já ter viabilizado a instalação da UTI pediátrica de Araguaína. Por isso é importante que a população saiba que todo o dinheiro é bem fiscalizado e a importância da colaboração da comunidade para que os benefícios continuem sendo realizados”, explicou o prefeito Wagner Rodrigues.

Destino

Entre os beneficiados pelo último edital, estão o projeto “Girassol Arte, Educação, Cultura e Cidadania” do Instituto Social e Cultural de Araguaína (Isca) que atende 35 crianças; o projeto de inclusão digital para crianças e adolescentes do Instituto Humanitário Casa de Davi, além da APAE de Araguaína que atende 220 crianças especiais e o Rotary Club de Araguaína com o projeto de promoção do direito a inclusão escolar e social da criança com deficiência visual.

“Todos os recursos chegam até estas entidades por meio de editais que contemplam projetos, então é preciso que a entidade apresente algo voltado ao atendimento da criança e do adolescente em situações como de combate a vulnerabilidade, na área de educação e assistência social, entre outros. Todos esses projetos são analisados pelo Conselho Municipal da Criança e do Adolescente”, destacou o secretário da Ação Social, Trabalho e Habitação, José da Guia.

Comentários do Facebook