Os eleitores de Itacajá retornarão às urnas, neste domingo, 3, para eleger um novo prefeito e vice-prefeito após a decisão do Tribunal Superior Eleitoral cassar o registro do ex-prefeito da cidade, Manoel de Souza Pinheiro (PSDB).

Manoel de Souza disputa novamente Prefeitura após ser eleito em 2016 e não poder assumir. Ocorre que o candidato disputa novamente o pleito e o Ministério Público Eleitoral (MPE) ajuizou uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) contra sua chapa e aliados políticos por abuso de poder.

A ação foi proposta pelo promotor eleitoral Luiz Antônio Francisco Pinto após denúncias de utilização de imóvel público para realização de reunião político-partidária, no dia 6 de novembro.

São réus no processo o prefeito interino Wesley Clayton Barros (PSD), o candidato a prefeito Manoel de Souza (PSDB), o candidato a vice João Batista de Souza Costa (PMDB), os vereadores Rinaldo Castro (PSC) e Adão Coelho (PSDB) e a diretora do Centro Municipal de Educação Antônia de Alencar Fernandes, Isonete Marinho Gomes.

De acordo com informações, o prefeito interino e os dois vereadores teriam solicitado apoio político para os referidos candidatos. Além disso, Wesley teria feito ameaças aos servidores e professores, já que maioria são contratados sem concurso público.

Segundo a ação, o prefeito interino chegou a citar exemplos de pessoas que foram demitidas por não apoiar politicamente. “A Isonete, diretora da instituição já assumiu a diretoria. Até poucos dias era Adriana, que também dei a oportunidade e nunca interferi em decisão nenhuma que a Adriana tomasse aqui dentro. Mas como era cargo de confiança e ela não quis acompanhar para onde eu fui, mudei”, teria dito Wesley Clayton.

Até mesmo os professores concursados não teriam escapado de intimidações, relacionadas à redução da carga horária, que traria reflexos na remuneração. Segundo o MP, o candidato Manoel Pinheiro também discursou durante a reunião que inclusive ocorreu em horário de expediente no órgão público.

O Ministério Público Eleitoral pediu a cassação do registro de candidatura do candidato a prefeito Manoel Pinheiro e do seu vice, ou a cassação dos diplomas com a consequente perda dos mandatos, caso a chapa seja eleita, bem como a decretação de inelegibilidade de ambos.

A cidade é governada interinamente pelo presidente da Câmara de Vereadores, Wesley Clayton Barros (PSD), desde que o Tribunal Superior Eleitoral cassou a candidatura de Manoel de Souza. (Com informações AF notícias)

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.