Imagem: Divulgação

A situação dos médicos anestesistas que atendem o sistema público de saúde no Tocantins vai de mal a pior: há sete meses o governo não paga a COOPANEST – Cooperativa dos Anestesiologistas do Estado do Tocantins e, consequência disso, os filiados não recebem pelos serviços que prestam à Secretaria de Estado da Saúde. A situação fica ainda mais grave para os pacientes do Estado com a decisão de muitos desses profissionais abandonarem a cooperativa; alguns até já mudaram do Tocantins.

O presidente da COOPANEST, Mário Sérgio Fortes, juntamente com sua diretoria, vem realizando audiências com os representantes do governo e com o Ministério Público nas últimas semanas, mas até agora, véspera de fim de ano, a situação permanece sem solução. “O problema é que pelo contrato que assinamos em setembro estamos obrigados, sob a pena de sermos punidos, a manter o serviço funcionando em todas as unidades. Como fazemos isso, se os profissionais estão saindo da Cooperativa?”, questiona Mario Sérgio.

Na véspera do Natal, o presidente da SAETO – Associação dos Anestesiologistas do Estado Tocantins, Roberto Corrêa Ribeiro de Oliveira, publicou uma nota onde relata a situação vexatória por que passam estes profissionais. “Estamos lutando pelo recebimento de nossos 6º, 7º, 8º, 9º, 10º, 11º e 12º salários”, diz, em alusão à indignação dos servidores do Estado que ficaram sem receber o 13º salario no dia 20 último. Para Roberto o que está acontecendo no Tocantins é análogo à escravidão. ”O Estado está condenando os anestesistas a mais cruel e desumana sentença”, critica Roberto. Confira na nota

 

Comunicado importante à sociedade tocantinense

Como presidente em exercício da SAETO – Sociedade Tocantinense de Anestesiologista do Estado do Tocantins – sinto-me no dever e na obrigação de fazer um grave alerta à sociedade tocantinense: existe um sério risco de ocorrer um colapso no serviço de atendimento de urgência e emergência do Estado por falta de anestesistas nas principais cidades do interior do Estado.

Os anestesistas da COOPANEST-TO, que desde 14/02/95 vem atendendo com profissionalismo e competência a sociedade deste Estado, estão passando por sérios e graves problemas financeiros fruto de mais de sete meses de atraso salarial.

Cientes das graves consequências que uma paralisação no atendimento poderia ocasionar aos pacientes que necessitam de atendimento nos hospitais públicos deste Estado, optamos por não suspender os serviços mesmo estando há vários meses sem receber os nossos honorários.

Recentemente, um número significativo de servidores do Estado do TO pode experimentar a dor ocasionada pelo não recebimento de seu 13º salário. Não existe nada mais doloroso e humilhante para um pai de família do que trabalhar arduamente sem poder honrar com os seus compromissos familiares básicos. Essa dor se torna ainda mais intensa nestes dias que antecedem as datas comemorativas de final de ano.

No caso do atraso do pagamento dos salários dos anestesistas da COOPANEST-TO, a situação se torna ainda mais grave e complexa visto que estamos lutando pelo recebimento de nossos 6º, 7º, 8º, 9º, 10º, 11º e 12º salários.

Este quadro  vem obrigando  muitos anestesistas a  deixarem o Tocantins em busca de novos mercados de trabalho e de condições dignas de sustentar as suas famílias.

Após o vencimento de nosso último contrato de trabalho, ocorrido no final do mês de Setembro, o governo realizou uma licitação pública  para contratar profissionais anestesistas para todo o TO.

Para não deixarmos a população do TO desassistida e acreditando nas promessas de pagamento da divida do contrato anterior, aceitamos participar desta licitação, sendo os únicos participantes da mesma. Vencemos e continuamos sendo os únicos  responsáveis pela prestação do serviço de anestesia neste Estado.

O contrato atual possui cláusulas que obriga a COOPANEST – TO a suprir todos os municípios tocantinenses com anestesistas, sob pena de rescisão contratual, pagamento de multa e proibição de participação em novas licitações por cinco anos.

Ao protelar o pagamento desses honorários atrasados, judicializando-se o processo, o então Excelentíssimo Senhor Secretário de Saúde, Dr. Marcos Esner Mosafir, está praticamente decretando a extinção do grupo de anestesia que há mais de 22 anos atende com eficiência e competência as diversas cidades do TO. Mais do que isto, está condenando os anestesistas do Estado a mais cruel e desumana sentença: trabalhar sob um sistema “ANÁLOGO AO TRABALHO ESCRAVO”.

A COOPANEST – TO, de mãos atadas, não mais consegue repor as vagas disponíveis existentes nas cidades onde houve o êxodo destes profissionais endividados, que necessitando de recursos para alimentar e sustentar as suas famílias, foram obrigados a deixar os seus antigos postos de trabalho.

Quem teria a coragem de se aventurar a trabalhar no interior de uma cidade do Norte do país sem a garantia do recebimento de seus honorários? Quem, além do anestesista que já está há décadas radicado no Estado e ainda acredita na potencialidade do mesmo?

Como podemos verificar, a situação é grave e necessita ser resolvida com presteza e muita boa vontade, caso contrário, uma catástrofe de proporção descomunal se abaterá sobre o SUS do Estado do TO e sobre a população mais humilde que depende exclusivamente  deste serviço.

Necessário também se faz comunicar à Sociedade Brasileira de Anestesiologia-SBA, à OAB, o Ministério Público Estadual e Federal, à Associação dos Magistrados do TO, o CRM, o CFM, o Sindicato dos Médicos do Tocantins, à AMB (Associação Médica Brasileira), à Assembléia Legislativa do Estado do TO e outros órgãos representativos da sociedade civil organizada sobre os graves fatos acima relatados, como forma de resguardar os profissionais desta cooperativa de alguma possível tragédia que porventura venha a se abater sobre o mesmo.

Sem mais para o momento, agradeço antecipadamente a atenção de todos.

Araguaína, 24 de dezembro de 2017.

Dr. Roberto Corrêa Ribeiro de Oliveira

Presidente da SAETO

 

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.