Trabalhadores rurais do Movimento dos Sem-Terra (MST)
Trabalhadores rurais do Movimento dos Sem-Terra (MST)

Trabalhadores rurais do Movimento dos Sem-Terra (MST) ocuparam na manhã desta terça-feira, 3, a sede da unidade do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Araguatins. São cerca de 120 pessoas que integram o Acampamento Carlos Marighella, há 15 km do município. Antes da ocupação, as famílias fizeram uma marcha do percurso entre o acampamento e a cidade.

De acordo com o MST, com a ocupação do Incra, os acampados querem ser ouvidos pelo superintendente do Instituto, Ruberval Gomes da Silva. Segundo o movimento, há sete meses os trabalhadores aguardam o cumprimento de um compromisso firmado pelo órgão de realizar a vistoria em três fazendas da região – fazendas Madureira, Santa Helena e Santa Rosa – para viabilizar o assentamento dos acampados.

Trabalhadores rurais do Movimento dos Sem-Terra (MST)
Trabalhadores rurais do Movimento dos Sem-Terra (MST)

“Até agora, nada. As famílias estão há sete meses à beira da estrada, sem nenhuma ação do Incra. Agora, nós só sairemos daqui [da Unidade] quando o superintendente vier conversar com a gente pessoalmente com essas famílias para firmar uma agenda de compromisso para vistoria dessas fazendas, para resolver essa questão e as famílias serem assentadas. Nós só vamos nos retirar, após a presença do superintendente”, informou o MST.

O Carlos Marighella é o único acampamento que há atualmente na região do Bico do Papagaio.

Ainda segundo o movimento, além dos acampados, se juntaram à atividade desta terça-feira famílias assentadas da região, que reivindicam do Instituto melhoria na estrutura dos assentamentos, como postos de saúde, escolas e regularização dos lotes.

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.