Forças sindicais dão respaldo

Oficializado em todos os estados do Brasil e no Distrito Federal, o Sindicato Nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos passa a ter uma coordenação no Tocantins. A criação dessa instância no Estado foi feita nesta quarta-feira, 11 de outubro, durante reunião na sede Força Sindical-TO, em Palmas. O encontro contou com a presença de dirigentes de mais de 30 sindicatos do Estado.

A criação do Sindicato Nacional dos Aposentados no Tocantins teve total respaldo da Força Sindical e da Fesserto (Federação dos Sindicatos de Servidores Públicos Tocantins). “Nós temos obrigação de ajudar os aposentados e pensionistas do Estado a se organizarem para lutarem pelos seus direitos. Por isso incentivamos essa criação da coordenação local da entidade”, ressaltou o presidente da Fesserto e da Força Sindical, Carlos Augusto Melo de Oliveira (Carlão).

O evento desta quarta-feira contou com a presença do presidente do Sindicato Nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos, João Batista Inocentini. Ao falar do sindicato, ele fez um relato histórico da criação da entidade até sua consolidação. Inocentini lembrou que até o ano 2000, ninguém no Brasil defendia os direitos dos aposentados.

Sem arrecadação com imposto sindical ou outras fontes, o sindicato sobrevive das mensalidades dos seus filiados e com enorme sucesso. A entidade tem cerca de 400 mil filiados no Brasil. A mensalidade corresponde a 0,5% do salário do aposentado até o teto da Previdência. Ou seja, mesmo aqueles que recebem mais do que R$ 5,5 mil, só pagam R$ 27.

“Deste total da contribuição, 0,4% é para o sustento do sindicato e o restante e para o financiamento da nossa cooperativa de crédito”, explicou Inocentini, ao destacar que a cooperativa trabalha como um banco para os aposentados, emprestando dinheiro com juros abaixo do mercado e aplicando os recursos investidos. “No final, a mensalidade pode sair de graça para quem é associado”, ressaltou.

A ideia é trazer a cooperativa para o Tocantins, bem como a imensa rede de convênios do sindicato. Além disso, nestes primeiro meses de funcionamento no Tocantins o sindicato nacional dará suporte, inclusive financeiro, para que a entidade no Estado possa fazer uma campanha de filiação.

A comissão local é composta por Carlos Pereira Mota Milhomem da Silva, Andeys Cesar da Silva, Maria Natividade Glória Ribeiro, Aldenor Araújo da Silva e Ibane Fragoso Luz. Aposentados, eles já participam dos sindicatos de suas categorias.

Movimento Resistência

Pouco depois da criação da Coordenação do Tocantins do Sindicato dos Aposentados, os sindicalistas, na sede da Fesserto, lançaram o “movimento Resistência”. Coordenado nacionalmente pelo FST (Fórum Sindical dos Trabalhadores), que reúne  22 confederações nacionais, centenas de federações e milhares de sindicatos, o movimento busca uma reversão de boa parte da Reforma da CLT sancionada pelo governo federal.

A ideia, inclusive, é promover atos em sequência divulgando os congressistas que ajudaram as propostas nocivas aos trabalhadores e fazer campanhas abertas pedindo para que a população não os ajude a se reeleger. “Vamos resistir e lutar contra aqueles que nos prejudicaram”, destacou Carlão.

 

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.