e329fd1b-02f6-4010-bffb-40fcfdcffba1Uma reunião ocorrida na sede do Sindicato dos Servidores Públicos no Estado do Tocantins (SISEPE-TO), em Palmas, debateu os impactos da implantação da jornada de 06 horas para os servidores públicos estaduais. A implantação da jornada reduzida é uma reivindicação antiga da categoria e foi proposta pelo Movimento de União dos Servidores Públicos Civis e Militares do Tocantins (MUSME-TO) na negociação da data-base.

A reunião aconteceu nesta quinta-feira, 06 de outubro. Em conversa com os presidentes da Associação Comercial e Industrial de Palmas (ACIPA), Kariello Sousa Coelho e da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Palmas, Davi Gouveia, o SISEPE-TO reiterou que a implantação da jornada não vai prejudicar o comércio. “Sabemos que toda mudança tem seu impacto no início. Mas, a jornada de 06 horas vai proporcionar muito mais tempo para que os servidores resolvam suas demandas pessoais, inclusive, no comércio. Ademais, o que realmente prejudica o comércio é a defasagem do poder de compra do servidor”, esclareceu Pinheiro.

Segundo ele, a preocupação dos líderes das entidades do comércio era que a jornada de 06 horas fosse implantada num único turno para todos. “Já temos alguns órgãos que têm a experiência da jornada de 06 horas, revezando os turnos. Ela não será implantada em um único turno para todos. A maioria vai trabalhar numa escala, com servidores no período da manhã e outros no período da tarde”, argumentou Cleiton Pinheiro, explicando que esses casos se aplicam aos setores da administração pública em que há necessidade de prestação contínua dos serviços. “A exemplo do SINE, Procon, Adapec e coletorias. Nossas conversas com o Governo são nesse sentido”, disse.

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.