Cachoeira da velha - Jalapão
Cachoeira da velha – Jalapão

O fluxo de turistas na Região do Jalapão, destino indutor nacional, localizado a Leste do Estado, continua em pleno crescimento. Em 2016, somente nas Dunas, atrativo que representa cerca de 30% da demanda de visitantes do Jalapão, foi registrado um crescimento de cerca de 39% em comparação com igual período do ano passado (de janeiro a setembro), o que representa a visita de 11.480 turistas. A pesquisa foi realizada pela Gerência de Pesquisa da Diretoria de Planejamento e Projetos Estratégicos da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia, Turismo e Cultura do Tocantins (Seden).

De acordo com o diretor de Planejamento e Projetos Estratégicos da Seden, Marcos Miranda,  esse crescimento tem impacto positivo na economia do Estado. “O setor de turismo está indo na contra mão em relação aos demais setores econômicos do País, que estão sofrendo retrações de receita e número de empregados”, explicou.

Marcos diz ainda que o Tocantins tem uma demanda potencial de turistas muito grande, ou seja, de pessoas que gostariam de conhecer o Estado. “Apesar do fluxo ainda ser insipiente em relação a outros destinos do País, isso pode ser positivo, pois reflete que temos um grande mercado para explorar”, destacou.

A pesquisa feita apontou que julho é o mês em que o fluxo de turistas é maior em comparação com os outros meses do ano, chegando, em 2016, a ter mais de 2.500 visitantes registrados. Porém, seu crescimento não foi tão significativo como nos meses de janeiro, maio e setembro deste ano – que em comparação com 2015, quase dobrou o número de turistas – e em relação ao mês março, cujo o fluxo triplicou, saindo de 228 visitantes para 845.

Canion do Sussuapara -Jalapão
Canion do Sussuapara -Jalapão

Entre as possíveis causas para esse aumento, principalmente nos meses de baixa temporada, estão o aumento do turismo nacional, por conta da alta do dólar, a ampliação na divulgação dos atrativos do Jalapão, e o aumento na procura por destinos de ecoturismo.

“Os serviços turísticos ofertados na região do Jalapão no período de alta temporada, julho e agosto, estão saturados. O que a gente percebe é que os turistas que não estão conseguindo fazer as reservas nesse período estão migrando para a baixa temporada”, acrescentou.

As pesquisas realizadas no Jalapão envolvem a contagem do fluxo turístico e o registro da origem dos visitantes dos principais atrativos turísticos da região. Esta contagem é realizada de forma contínua nas dunas e na cachoeira da velha, onde todo turista que entra preenche uma ficha de cadastro. Outras pesquisas também são realizadas pela Seden. Por exemplo, em períodos de alta temporada e feriados é feito um levantamento com o perfil da demanda turística e avaliação da movimentação financeira dos atrativos turísticos naturais e comércios da região.

Jalapão

A maioria dos atrativos do Jalapão está localizada nas cidades de  Mateiros, Novo Acordo, Ponte Alta do Tocantins e São Félix do Tocantins. São 34 mil km² de paisagem árida, cortada por uma imensa teia de rios, riachos e ribeirões, todos de águas transparentes e potáveis.

Entre os atrativos mais procurados estão a Cachoeira da Velha, uma enorme queda d’água em forma de ferradura de aproximadamente 100 metros de largura e 15 metros de altura; as Dunas, compostas por areias finas e alaranjadas que chegam a 40 metros de altura; os Povoados do Mumbuca e Prata, remanescentes de quilombos cuja visitação possibilita ao turista vivenciar a cultura local; a Serra do Espirito Santo, formação rochosa onde é possível apreciar a flora da região; a Cachoeira do Formiga, nascente de água verde-esmeralda; e os Fervedouros, com suas águas transparentes, nas quais é impossível afundar com a forte  ressurgência das águas subterrâneas.

A preocupação em manter preservada essa incrível riqueza natural é representada pela presença de várias Unidades de conservação,  como o Parque Estadual do Jalapão, o Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba; a Estação Ecológica da Serra Geral do Tocantins; a Área de Preservação Ambiental  (APA) Serra da Tabatinga; e a Área de Proteção Ambiental (APA) Jalapão.

Os atrativos ainda garantem diversão o ano inteiro, seja no período chuvoso ou de estiagem, de acordo com o perfil e interesse do turista. Para os mais aventureiros, a região é ideal para prática de rafting, canoagem, rapel e trilhas a pé e de bicicleta. (Daniela Oliveira)

 

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.