Reunião Fesserto com governo
Reunião Fesserto com governo

A Fesserto (Federação dos Sindicatos de Servidores Públicos do Tocantins) aguarda a resposta do governo do Estado para a contraproposta apresenta na terça-feira, 13 de setembro, sobre o pagamento da data-base de 2015 e de 2016.

Fesserto diz ser a única entidade de 2º grau de sindicatos de servidores públicos do Tocantins, que tem total legitimidade para conduzir qualquer negociação como o governo do Estado ou poder público constituído.

E ressalta que no plano nacional as centrais sindicais e as federações conduzem e participam de negociações com os governos, como exemplo temos a luta da Força Sindical, da CUT, CSPB (Confederação dos Servidores Públicos do Brasil), Fenajud (Federação Nacional dos Servidores do Judiciário nos Estados), e várias outras entidades.

Nos outros estados, as federações de servidores públicos também participam e coordenam negociações, algo que é natural, pois qualquer entidade de 2º Grau sempre terá mais força que as entidades de 1º grau.

Além disso, é importante ressaltar que a Fesserto atua na defesa dos sindicatos e associações de policiais militares que a escolheram e optaram pelo diálogo como maneira de encontrar uma solução para resolver o impasse da data-base. A opção pela greve também é legítima, pois cada categoria escolhe a sua forma de luta.

No fim, o que os servidores esperam é que o pagamento da data-base comece a ser efetuado, já que a situação tem prejudicado cerca de 35 mil famílias no Estado.

Proposta

Em proposta oficial apresentada pelo governador Marcelo Miranda à Fesserto e a vários sindicatos, o retroativo da data-base de 2015 seria pago em 12 vezes a partir de janeiro de 2017. Já a data-base de 2016, seria quitada da seguinte forma: 2% em janeiro de 2017; 2% em maio de 2017 e o restante em setembro do mesmo, a depender da evolução da RCL (Receita Corrente Líquida).

Os sindicatos não concordaram e apresentaram a seguinte contraproposta: pagamento da data-base de 2016 a ser realizado ainda este ano, em três parcelas iguais nos meses de outubro, novembro e dezembro; retroativos de 2015 e 2016 pagos durante o exercício de 2017.

Participam da negociação em conjunto com a Fesserto os seguintes sindicatos: Sindifiscal (Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Estadual do Tocantins); Sinfito-TO (Sindicato dos Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais do Tocantins); Sindjor (Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Tocantins); Sinpol-TO (Sindicato dos Policiais Civis do Tocantins); Sindagro (Sindicato dos Profissionais de Defesa Agropecuária do Estado do Tocantins); AFA-TO (Associação dos Funcionários da Adapec); Asmir-TO (Associação dos Militares, Reformados, da Ativa e seus Pensionistas do Estado do Tocantins); Aometo (Associação dos Oficiais Militares do Estado do Tocantins); Sindater- TO (Sindicato da Extensão Rural/Ruraltins); Associação dos Servidores do Naturatins; Sindifam (Sindicato dos Profissionais de Análise, Inspeção e Fiscalização Ambiental do Estado do Tocantins); ABM-TO (Associação de Bombeiros Militares do Estado do Tocantins) e Sindepol (Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado do Tocantins). (Ascom)

 

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.